quinta-feira, 26 de março de 2015

MAU SERVIÇO À HUMANIDADE

Angeline Jolie dá mostras de estar mal aconselhada e, porventura bem-intencionada, não deixa todavia de lançar para o mundo, dada a sua visibilidade, conceitos de prevenção do cancro no mínimo francamente discutíveis. Não obstante, tem tido um papel notável como Embaixadora das Nações Unidas ao serviço da causa dos refugiados. Que o diga António Guterres. Tudo indica ser uma mãe fabulosa, as adoções feitas por si são um espanto. Corporizam a gota de água herdada de Madre Teresa de Calcutá para bem da Humanidade. Pode dizer-se sem receio ser uma artista um pouco acima da média. Como produtora e realizadora de cinema é ainda nada afoita e muito confusa.
Os cancros em geral são de prevenção passível de monotorização relativamente bem-sucedida. Nas circunstâncias em que a hereditariedade tem uma probabilidade alta de induzir no presente qualquer neoplasia poderá justificar-se a mutilação (Sobrinho Simões Dixit). Não é, seguramente, o caso da ocorrência na mama ou nos ovários. Se o meu colega norte-americano que procedeu às intervenções cirúrgicas na senhora entende e aplaude a divulgação feita por ela como tendo qualquer efeito pedagógico, será melhor que reveja os seus conceitos de ética. Este é um mau serviço à Humanidade.
Henrique Pinto

Março 2015

PELA BOCA MORREM OS CORAÇÕES (I)

Henrique Pinto com Professor Doutor Manuel Antunes
Boa parte de quem frequenta a minha consulta de Nutrição Clínica são náufragos das dietas da moda, dos exageros na perda de peso, ou desesperados por já terem corrido todas as capelinhas, por falta de disciplina, pelo recurso aos piores meios (medicamentos dietéticos, toda a quantidade de suplementos das multinacionais e não só e ervanárias), sob os quais não impende qualquer controlo ou regulação do Estado. Infelizmente para o país está para sair legislação a aumentar o número de drogas a não carecerem de prescrição médica e a poderem ser vendidos nos Correios, bombas de gasolina, quiosques, supermercados e por aí adiante. Na sua generalidade são ainda produtos não sujeitos a qualquer ensaio clínico. Nada a opor à conhecida medicina alternativa, mesmo se com reservas. Em tudo a favor da medicina baseada na evidência. Num país com mais de 40% de iliteracia considero ultrajante este arrojo do liberalismo económico, vindo donde vier. Quanto valem as vidas humanas?
Carla Trafaria
Pois bem, mesmo a alguns clínicos falta a base nutricional. Uma certa parte assume uma de duas posições antagónicas: os que não pensam em regime alimentar e vão direto a medicação; quantos desencorajam os doentes a consultarem um especialista em Nutrição, alegando que este lhe pode prescrever medicamentos.
Pois coloco aqui um exemplo médico bem concreto. A maioria das pessoas com colesterol alto pode combate-lo só com a alimentação equilibrada e acompanhada. Ao fim de alguns meses está reduzido para metade e a pessoa pode fruir a sua líbido.
No caso específico da prevenção das doenças do coração e dos vasos sanguíneos continua a melhorar a nossa compreensão do papel dos fatores da dieta com implicações práticas importantes. Vejam-se os fatores dietéticos chave neste contexto: manutenção do peso ideal do corpo (IMC 20-25 Kg/m2); redução no consumo de gorduras saturadas; uso no cozinhar de gorduras insaturadas, nomeadamente o azeite de oliveira; consumo de frutos e vegetais várias vezes ao dia; consumo de quantidades bem moderadas de hidratos de carbono complexos (pão, arroz, massas alimentícias, leguminosas e batatas); consumo de fibra dietética, particularmente fibras solúveis (frutas e vegetais); ingestão aumentada de peixe gordo (salmão, sardinha); redução na ingestão de sal; moderação nas tomas de álcool.
Reitor da Universidade de Aveiro Professor Doutor Manuel Assunção e Henrique Pinto
O reconhecimento da associação entre gordura saturada da dieta, níveis de colesterol do plasma, e risco de doença cardíaca coronária, conduziu à adoção de medidas dietéticas para baixar o colesterol como ponto forte da estratégia preventiva. Está também a focar-se o interesse para outros fatores de risco modificáveis como o HDL (o colesterol bom que remove o mau, o LDL) e Triglicerídeos como alvos de intervenção.
Ensaios clínicos com dietas ricas em peixe gordo demonstraram reduções impressionantes no risco de doença cardíaca coronária. Ao mesmo tempo que a toma de suplementos em antioxidantes se mostrou um desapontamento. Mas a adoção duma dieta equilibrada, rica em antioxidantes, é comprovada pela evidência dos resultados. O estilo Dieta Mediterrânica pode aproximar-nos desse padrão ideal de alimentação cardioprotetora.
Henrique Pinto, Professor Doutor
Consulta de Nutrição Clínica
In Diário de Leiria e Jornal Distrito Online
Dra. Ana Espírito Santo (Guia, Cascais)



terça-feira, 24 de março de 2015

LONGOS DIAS, MUITAS DÉCADAS (II)

A Embaixadora de Israel em Portugal Tzipora Rimon e Acácio de Sousa no encerramento do 2º Concerto de Música Judaica, Igreja da Misericórdia, Leiria
1 Tudo conforme o previsto
Desengane-se quem pensar o liberalismo económico europeu como o dito de Sibila, de Ovídeo, «viverá por mil anos». O resultado das últimas eleições gregas traduz o vivo descontentamento das pessoas com a austeridade que estropia (veja-se o exemplo brasileiro, da revolta entre a classe média). Mesmo se o fato é exorcizado por alguma suposta intelectualidade portuguesa, xenófoba (não Le Pen, obviamente) e ignorante. O grau de iliteracia, condicionante da cidadania, é na Grécia de mais de sessenta por cento e em Portugal de 42% (1). Não sei bem se os homens cultos e social-democratas do PSD terão lido o livrinho do chefe mor, «Um Homem Invulgar», ou se foram condicionados. Dizer-se que não havia outro caminho além do da 
Adriano Francisco (já falecido), Waldemar de Sá (Governador em Rotary), Vitor Gonçalves, Henrique Pinto e David Gomes (Rotary Club de Leiria, VOG 1997/98
austeridade é um disparate perfeito. Manuela Ferreira Leite, outra presidenciável de respeito, apontada para esse pedestal por Adão e Silva, já plasmou e vituperou tal contradição na TV. Como é um equívoco seguir o caminho do «fizeram muita asneira, incompetência…» ainda que a tenha havido. Na verdade, na campanha eleitoral disse-se uma coisa e a prática ditou o contrário. Mas tal prática estava previamente escarrapachada no livrinho. Tudo se tem feito conforme o previsto.

2 A devedora
Ouvir-se depois desta trapalhada que Tsipras está a torpedear a EU (2) é negar o poderem-se usar numa discussão todos os argumentos legítimos na retórica. Tsipras venceu legitimamente as eleições com grande dignidade e ascendente. Não é um
Tsipras de visita a Berlim (março 2015)
extremista. «Todos expressámos o desejo de ter uma solução proveitosa para toda a Zona Euro. Respeitamos os Tratados, mesmo quando discordamos, mas falando verdade e admitindo que há divergências», disse há dias, antevendo a que (…) «em breve possa haver um acordo com as instituições». (…) «Somos nós que pedimos as reformas, e não queremos que sejam outros a implementá-las», disse.
E, infelizmente, algumas das subtilezas ou asperezas colocadas por si no diálogo de alto nível, deveriam envergonhar muitos dos líderes europeus, sejam politicamente o que forem, e particularmente a «devedora» Alemanha. Se houver confiança em Churchill ou Gilbert, consultemo-los. Os «se tivesse sido assim» em história pouco valem. Só os fatos são passíveis de interpretação.

3 Apoiar com denodo
A gestão presente do OLCA (3) herdou um aparelho cultural singular no país num momento em que Portugal passa por uma crise de valores sem paralelo. Se o 
Henrique Pinto com Juíza Cacilda Sena e D. Antonieta Brito
exemplo não vem de cima, e de baixo é demolidor o peso da iliteracia para a cidadania, donde para a cultura, pelo meio não há regulação do que quer que seja nem a menor consideração por obras feitas e a fazer. Ora, a virtude não deverá estar entre quem advoga «todos os direitos para todos» nem entre os paladinos do «todos os direitos só para uns tantos». Poderá residir algures na equidistância destes polos. Uma organização cultural como o OLCA, a tocar o brilho cimeiro, escrevi nos últimos anos, sendo insustentável «tout court» em liberalismo económico como o é qualquer uma similar não abençoada por fundações de mecenas, tanto aqui como em Londres ou na Polinésia, precisa entrar na era da produção artística, «ganhar o dinheiro para jantar». Apontei na altura própria para a criação de produtos vendáveis construindo-se Obras artísticas integradas, com a intrusão de todas as suas componentes (os
Rodrigo Queirós e Orquestra Luís de Freitas Branco (OLCA), Concerto Música Judaica, Igreja da Misericórdia, Leiria
bonitinhos de cada um são importantes mas só por si não significam avanços, organizativos ou civilizacionais). Mesmo sabendo do «Yes but not in my backyard» (4). Na maioria das circunstâncias os criadores/artistas/docentes, até pela sua sensibilidade, compreensivelmente, refugiam-se na «quinta», sabe-o Deus, quantas vezes legitimamente. Há muito patrãozinho país fora a abusar do trabalho criador. 
Maestro do Coro Orfeão de Leiria, João Branco
Tem de ser ganha a sua confiança, numa base de parceria. De molde a instituir um clima saudável tipo AutoEuropa da cultura. Um ambiente favorável a que, amadores e profissionais, dentro do universo artístico/pedagógico, possam animar o sustento institucional. Se a ideia é valorar a cultura, o individualismo, pessoal ou de grupos, na perspetiva que defendo há anos fundamentado na leitura e na vivência, é o caminho menos indicado na atmosfera do novo liberalismo. Se tal não for viável pode mesmo arruinar-se a Obra. Acácio de Sousa e David Gomes são pessoas incontornáveis no OLCA de hoje, têm feito um bom trabalho, devem, a meu ver, preparar-se para mais mandatos do que apenas o atual, assumindo-o desde já. Uma catedral àquela dimensão requer imenso esforço, sensibilidade, dedicação e imaginação mas, sobretudo, continuidade. Se a gestão é boa apoiemo-la com denodo.
(1)    Dados do Relatório UNESCO 2014
(2)    União Europeia
(3)    Orfeão de Leiria Conservatório de Artes
(4)    «Não no meu quintal», em português
Henrique Pinto
Março 2015
Henrique Pinto, Bar Restaurante Pé do Rio, Leiria


LONGOS DIAS, MUITAS DÉCADAS (I)

1 Kill me later(1)

«Ainda sou do tempo em que você era bestial…». É o bom amigo que, abraçando-me, mo diz ao ouvido. E saiu-me, por brincadeira: «… e agora sou uma besta, não é?».
A empatia tem destas coisas, sorrimos francamente, ambos sabendo que a maledicência paira sempre no ar por mais impoluto ele possa ser.
Sempre saí pelo meu pé donde quer que fosse. Fui invariavelmente louvado pelos meus mestres por estar uns passos adiante dos meus pares. Lembro-me bem de, ao apresentar a minha renúncia, aliás, por demais anunciada e preparada, da liderança cultural, ter deixado escrito «sei com absoluta certeza, mal vire as costas começam a tosar-me à grande e à francesa, em Portugal somos assim, a inveja é consolo da inanição».
Emociona-me o apontar os heróis, os que trabalham, as pessoas de sucesso a expensas suas, pensadores livres, os construtores de catedrais. E faço-o amiúde como dever cívico. Quanto a vilões, desses fale quem quiser!
É, hoje como ontem, algo que me não perturba. É assim mesmo. «Kill me later!».


2 Nóvoa, Castro, coragem

Devem-se a Sampaio da Nóvoa, reitor honorário da universidade de Lisboa, um intelectual do dito centro esquerda, homem da cidadania, a melhor forma de representatividade, palavras corajosas, não circulares, como «Devo a Abril tudo o que sou», (…) «Chegou o tempo da coragem e ação», (…) «esta Europa» quer «esta União 
Económica e Monetária, já não nos servem», (…) a mudança depende de «nós». «Assim como em Abril, temos que ser nós a contribuir para mudar o panorama europeu», sublinhando, «É na Europa que podemos vincar a nossa posição». Os tempos de austeridade são um «desastre», urge acabar com «esta política antes que ela acabe connosco». Proferiu-as há dias num debate sobre a cidadania quando o seu nome é insistentemente referido como possível putativo presidente da República. Tal como o são outros amigos meus, de Oliveira Martins e Paulo Morais a Henrique Neto. Têm fracas sondagens? Que importa isso agora? Fui mandatário distrital duma candidatura independente de quem à partida teve má imprensa e pouco se esperava. Dos 630 mil votos obtidos 100 mil deles foram-no no distrito de Leiria. O bom nome de quantos o emprestaram foi assaz significativo nesse florescimento.
Não se pode ostracizar quem muito fez de boa-fé sem que o dinheiro, por qualquer razão, lhe chegasse para tudo, nem incensar definitivamente quem muito poupou nas finanças desgastadas. Raúl Castro está entre estes últimos num patamar bem elevado de respeitabilidade. Economista de formação, com mais de 25 anos de gestão autárquica, conhecedor, conseguiu esse feito notável dum saneamento financeiro bem custoso. Honra lhe seja feita.

3 Mulher de charme
Por bem conhecida que seja entre o público C e D, e embora o seu charme toque igualmente as elites do social, uma mulher, sobretudo neste país, a lançar uma Revista com o seu próprio nome e lograr vender nas primeiras horas mais de 150 mil exemplares, estando de momento entre as divas de mais forte intervenção, não o
consegue só pelo seu belo «look». Cristina Ferreira, apresentadora, atingiu cedo esse Olimpo. Bonita, sim, mas inteligente, de personalidade vincada e, num relance breve sem equívocos, agradável, workaholic, imparável, perseverante, é, sem a menor dúvida, uma senhora de grande valor. Claro, detesto aqueles produtos que anuncia, sobretudo os horrores alimentares, no programa com o Goucha. Mas não se pode exigir aos sérios e interessantes que sejam igualmente sábios.
(1)    «Matem-me mais tarde», do filme Focus
Henrique Pinto

Março 2015

quinta-feira, 19 de março de 2015

FALSAS «TÁBUAS DA LEI»

Em quase todos os dias dos últimos muitos anos ouço dizerem-me, agora com ironia, mais logo com despeito, noutras vezes por coisa nenhuma, «passou por mim e não me disse nada…» Brincando com o fraco ouvido também me chega o «nem atendes os meus telefonemas». Já não se pode ser míope, surdo ou distraído, meus caros!
Em ocasiões aparentemente intelectualizadas a argumentação difere. «Como você disse», ou «ao contrário do por si afirmado», a «realidade é outra». Ó pessoal, costumo retorquir, eu não disse nem afirmei nada disso… Mas fico a pensar, terei ofendido alguém com a minha palavra? Enganei-me? Tenho até o hábito de pedir opinião sobre o assunto. Não por me sentir inseguro. Pergunto por muito prezar o rigor, tanto como o respeito pelo Outro.
Pois vou contar-vos uma historieta. Construo um texto onde tudo é ficção sobre realidades e entidades bem diversas, como se o problema fosse único e localizado. É um texto sobre a crueldade do nosso quotidiano. Não obstante, ninguém poderá sentir-se melindrado de qualquer forma.
Suponhamos, havia uma passadeira de peões erroneamente disposta no terreno, provavelmente até concordante em relação à legislação, em Portugal patética por natureza. Claro, ouve-se muito, «temos as melhores leis». Porém, neste campo, tudo se faz para facilitar a vida aos condutores. Raramente se pensa no interesse do cidadão apeado. «Então eu, transeunte a caminhar pelos meus pés, é que tenho de dar uma volta ao quarteirão para atravessar a estrada?», poderá desabafar um destes indivíduos. Outros, conhecedores, queixar-se-ão: «Ora nem as bermas isolam o cidadão da própria estrada daqui até à passadeira, como em França, em Inglaterra, na Alemanha».
Imagine-se, no tocante a esta zebra, travessia de estrada colocada depois duma lomba, logo dificilmente visível, e por sinal numa via de tráfego intenso de todo o tipo de veículos, ocorriam mais duma dezena de atropelamentos num só ano. Se os responsáveis públicos, durante um biénio, ignoram as queixas sobre tais eventos graves, a responsabilidade dos danos cabe só aos peões, quantas vezes irresponsáveis no uso de tais equipamentos sociais? Ou recai somente sobre os automobilistas, com razões sérias para, por vezes, não lograrem visibilidade? Dirá apenas respeito às autarquias que, vezes sem conta insensíveis às realidades, preferem fazer bonitinhos ao invés de encontrarem soluções? Ou é culpa estrita da legislação patética onde por vezes se refugiam acriticamente?
Pois é, «então o senhor doutor acredita que, entre as várias causas possíveis do estado de coma de alguém, uma delas possa residir num acidente antigo, quiçá nestas travessas de branco listadas em que um suposto coágulo encapsulou?» Meus caros, não só acredito como equaciono sempre esta hipótese. «Mas se tal acontece de quem é a culpa, doutor?». Boa pergunta, não é!?
Agora imagine-se que dois quilómetros para a frente ou um quilómetro à direita duma «ratoeira» como esta, há cidadãos incomodados (muitos deles a ponto de não lograrem dormir com sossego), porquanto legislação igualmente patética permite a determinados ramos comerciais fazerem todo o tipo de ruído noite dentro? Sucedem-se os protestos. Nuns lugares Estado e Cidadãos entendem-se usando a inteligência. Conciliam-se os interesses de moradores e lojistas, por exemplo. Noutros, fincando-se, «tecnicamente» 
na suposta exatidão das falsas «Tábuas de Moisés», onde se dá primazia às medições do ruído sem ter em conta os falsos positivos ou negativos suscitados por uma tal medição de frequências sobre a voz, o cidadão queixoso é espezinhado como se fora uma barata.
Senhores técnicos acríticos, por favor atentai nas experiências similares vividas nas cidades inglesas nos anos sessenta. Nesta matéria é muitíssimo mais fácil dirimir entre causas e efeitos. O rol de patologias advindas de tal negligência legal é bem extenso. Qualquer dia o grau de literacia para a cidadania permitirá também aos portugueses assacar culpas a quem por ora se sente confortavelmente tolerante.
Henrique Pinto
Médico especialista

Março 2015

OS MENINOS DE BHICHAI

1 Literacia, chave do mundo

Bhichai Rattakul (1), enquanto presidente de Rotary International (RI) iniciava todos os seus discursos com a história duma criança cujo comportamento e conhecimento eram a base duma lição para a vida. Refiro este facto sempre que abordo o tema Literacia. Exemplo melhor não há para incorporar toda a abrangência do conceito.
Num primeiro olhar «Literacia» parece ser um termo que toda a gente é capaz de compreender. Mas provou-se, Literacia como conceito, pode ser a um só tempo coisa Complexa e Dinâmica, continuando a ser interpretada e definida numa multiplicidade de formas.
As noções alimentadas pelas pessoas quanto ao que significa ser literato ou iliterato, são influenciadas tanto pela pesquisa académica, como pelas agendas institucionais, o contexto nacional, valores culturais e experiências pessoais. Para a comunidade académica, as teorias da Literacia evoluíram desde as focadas somente em mudanças nos indivíduos, até visões de maior complexidade, acompanhando os contextos sociais mais amplos (o «ambiente literato» e a «sociedade iliterata»), que encorajam e tornam possível ocorrerem atividades e práticas de Literacia.
Como resultado destes e doutros desenvolvimentos, a compreensão nas políticas comunitárias internacionais, também se expandiu: desde o ver a Literacia como um processo simples de aquisição de capacidades básicas cognitivas (do saber, aptidões ou «skills»), capacidades para serem usadas sob formas que contribuam para o desenvolvimento socioeconómico, para o desenvolvimento da capacidade para o conhecimento das sociedades e da reflexão crítica como base da mudança pessoal e social.
Somente a partir do século XIX o conceito de Literacia passou a referir as capacidades de ler e escrever, mantendo o seu principal significado de ser «entendida ou conhecedora», educada num ou mais campos em especial.
A Literacia a ser entendida como o cenário de aptidões alcançáveis – particularmente as cognitivas, de leitura e escrita –, independentes do contexto em que são adquiridas e do background de quem as adquire.
Os académicos discordam sob a melhor forma de adquirir literacia, uns advogando a aproximação fonética e outros a «leitura para o significado». A competência para a Numeração é muitas vezes vista como uma inerente à Literacia.

2. Alfabetos na vida

O sentido em que RI interpreta a Literacia é exatamente o que inclui estas capacidades ou competências mas também todas as que permitem descodificar o mundo para o reconstruir. E daí o abarcar uma série vasta de aptidões (ou alfabetos), desde a cultura em todas as asserções, à cidadania, à informação (média), para o comunicar público, etc., das primeiras letras, qualquer que seja a via, aos alfabetos do sexo, da saúde, condução automóvel, informática e digital, do amor, da escrita/fala jornalística e de tantos outros.
Todavia, como a generalidade dos tradutores para português, no One Rotary Center em Chicago, é do Brasil, eles utilizam mais a forma de ver a Literacia como Alfabetização, assim arrastando outros e aumentando a confusão. Mesmo se na verdade do dia-a-dia ambos os conceitos sejam usados indiferenciadamente.
No entanto o que nos interessa, basicamente, é ensinar pessoas que possam ter um papel social importante nas suas comunidades e de tal forma a comunicação e a cidadania, a literacia afinal, as possa ajudar a serem felizes. Ou seja, desde logo, a generalização da ideia de o acesso à cultura dever ser parte constitutiva da cidadania contemporânea. Essa ideia segue naturalmente de par com a prevalência de estilos de vida e das expectativas das classes médias urbanas, mais escolarizadas, que veem o investimento público e privado na cultura, no lazer e na estetização dos ambientes em que circulam, como ingredientes importantes da sua integração sócio espacial.
Nas últimas décadas no mundo ocidental e na Europa em
particular, a cultura foi ganhando maior relevo nas políticas urbanas e nos modos de conceber e planear a vida nas cidades.
Deste modo, a conceptualização das cidades e a da cidadania (uma e outra tão mais consolidadas quanto maior o grau de Literacia), são, respetivamente, as carpetes douradas e as lantejoulas do fenómeno cultural. A montante e a jusante têm a máxima relevância todos os alfabetos da vida, a literacia no seu auge
Mas como tem sido doloroso este caminho.

3. O défice literato

Utilizando Indicadores com inclusão de critérios de literacia, desde a alfabetização básica (escrita, leitura e contas) até aos mais elaborados, refletindo a capacidade de construção do mundo social ou a sua desconstrução (descodificação), podemos fazer uma escala comparativa país a país.
Vejamos assim alguns dados (2) referentes aos últimos anos para a Iliteracia (o défice literato). Saliento que, para EUA e Reino Unido, entre outros países de primeira linha, tampouco existem dados publicados pela UNESCO para Iliteracia.

Quadro 1 Iliteracia Nalguns Países

País
Ano
% de Iliteracia
Portugal
2011
42,8
Angola
2011
63,4
Espanha
2010
37,7
Itália
2011
46,8
Cabo Verde
2011
23,5
Grécia
2011
53,6

Em todo o caso a discrepância no género ou na idade abrangida pela não literacia é atros: maior nos jovens, 65% em Portugal até aos 15 anos (3) e nos idosos que na idade madura, maior nas mulheres que nos homens.
De acordo com a UNESCO, as taxas de literacia para adultos e jovens continuam a crescer. Tomamos em conta os países onde é possível, sob qualquer forma apropriada, com indicadores normativamente construídos, ter dados credíveis sobre este assunto. As mulheres jovens dos 15 aos 24 anos têm os maiores ganhos em Literacia, mas mesmo assim abaixo das taxas para os homens da mesma idade.
Em 2012, 87% das mulheres jovens tinha Capacidades básicas de Literacia contra 92% dos homens jovens.

Quadro 2 Iliteracia, Europa Central e de Leste (em percentagem)

                           Anos
Ensino
2003
2012
Pré primário (total)
  57
  74
Primário (total)
105
100
Secundário, todos os programas, total
  93
  93
Acima do secundário
  92
  89
Crianças que não frequentam a Escola primária na idade certa
  0,7
  0,8

Apesar destes ganhos importantes, 785 milhões de adultos não sabiam ler ou escrever e dois terços destes, 496 milhões, eram mulheres.

 4. Dolly Parton e a Biblioteca da Imaginação

Eis dois projetos de alfabetização/literacia de grande impacto em regiões importantes do mundo. Constituem a minimização de qualquer das duas tendências principais, opostas até, na concetualização de Literacia, atrás presentes.
Desde logo o da Biblioteca da Imaginação, da atriz e cantora norte americana Dolly Parton, com quem tive o gosto de contactar em Montreal 2010, a Convenção de RI. A Dolly Parton Foundation tem uma parceria estratégica com RI. 
Em 1995 Dolly lançou a sua Biblioteca da Imaginação no intuito de beneficiar as crianças do seu condado em Tennessee, EUA. A visão de Dolly era alimentar o amor pela leitura entre as crianças pré escolares e as suas famílias, providenciando-lhes o presente dum livro selecionado em cada mês, endossado a suas casas. Para além de querer deixar as crianças excitadas sobre os livros e sentir a magia que os livros podem criar, ela queria assegurar que todas elas tivessem livros independentemente do rendimento familiar.
 A Fundação tornou-se tão popular que o programa passou a atender todas as comunidades interessadas. E caminhou de apenas umas poucas dezenas de livros para mais de 60 milhões, enviados por correio para as crianças dos EUA, Canadá e Reino Unido. Presentemente, cobre mais de 1600 comunidades e mais de 750.000 crianças, uma a uma, todos os meses.
No lado oposto o efeito dos Programas CLE, Concentration Language Encounter Method, no desenvolvimento das capacidades do conhecimento das palavras, entre os alunos do Ensino Básico.
Trata-se de ensinar um pequeno número de crianças, ou, nalgumas estratégias, de mulheres. Utiliza a repetição das palavras (hoje pode fazer-se igual com a música nos melhores conservatórios), com maior relevo nas necessidades locais (usando períodos de tempo variáveis mas curtos). Rapidamente se identifica a grafia dos termos mais comuns e do meio de as ligar. Este grupo, avaliado, passa rapidamente a ensinar outros, sob controlo dos responsáveis pelo ensino/aprendizagem. Seguem-se novas sequelas mas num grau superior.
Foi assim que, nos tempos que correm, países como a Turquia, muitos africanos, comunidades étnicas nos EUA ou no Japão, o Brasil e outros países sul-americanos, ganharam rapidamente um nível de educação básica (continuada, obviamente), muito razoável.
E, em cada um dos projetos, locais ou regionais, a primazia na aprendizagem é dada à mulher. Mais próxima dos filhos e da comunidade, ela tem maiores possibilidades de replicar os programas, logrando-se uma cobertura mais célere da população alvo.
Em qualquer destes programas exemplo, como nos de toda a espécie, RI e a UNESCO estão dando apoios muito substantivos, no primeiro caso através da Rotary Foundation, em ambas as situações em colaboração com as comunidades.
Um mundo melhor passa seguramente, por ganhos maiores em Literacia. Uma criança letrada não se deixará escravizar.

Notas:
(1) Presidente de RI em 2002-03, Vice-Presidente do Conselho de Segurança das Nações Unidas; Ex primeiro ministro (11 anos) e ministro dos Negócios Estrangeiros (3 anos) da Tailândia; Conselheiro do Rei
(2) Todos os dados aqui citados foram extraídos das publicações 2014 do Instituto de Estatística da UNESCO e tratados por mim
(3) Conferência Internacional de Ministros e Altos Responsáveis pela Educação Física e Desporto, Baku (Azerbaijão), Março 2013

Henrique Pinto
Ex Coordenador de Zona de Países africanos  francófonos, de língua portuguesa e Nigéria e depois da Zona que vai da Palestina e segue, bordejando o Mar Negro, até à Turquia 
Março 2015




sexta-feira, 13 de março de 2015

GASES SÃO PROBLEMA RUÍM, DOUTOR!

Até a dieta ideal pode colidir com o funcionamento de intestinos e estômago, gerando-se flatulência. Tem efeito pernicioso no indivíduo. É sobretudo a vida social a mais beliscada.
Artimanhas de culinária ou recurso a alternativas de qualidade e idêntico valor calórico, solucionam o entrave.
Advém do acumular excessivo de gazes no intestino e/ou estômago provocando o «inchaço» da barriga. É um processo normal. Afeta as pessoas de modo diverso.
Pode também ser secundária a patologia como obstipação crónica, intolerâncias (lactose, doença celíaca), Doença de Crohn ou úlceras.
Comer depressa e sob stress, com intranquilidade (vendo televisão, por exemplo), mastigando mal, falando muito, pode suscitar flatulência.
O fascínio da Nutrição Clínica reside no fabuloso avanço hodierno da bioquímica. As reações químicas pós ingestão de certos alimentos são a causa mor da flatulência.
Os legumes (feijão, grão, ervilhas e soja, entre outros) estão na base da generalidade dos casos. Como sucede com os brócolos, couves em geral e cebola. São de evitar, por flatulentos, os queijos muito curados e os gordos, edulcorantes, açúcar e doces confecionados com tal produto, batata e bebidas gasosas (refrigerantes com gás, cerveja, etc.).
Todavia não nos podemos dar ao luxo de pôr de parte alimentos importantes para a saúde do indivíduo, bons demais para não se aproveitarem, como legumes, queijo ou ovo, entre outros.
Há processos e modos de confeção (leguminosas e todos os tipos de couve), de alternância dalguns alimentos (couves e brócolos), de escolha (tipo de queijo), entre outros, que minimizam os danos flatulentos.
Aos legumes e vegetais referidos bastará deixá-los de molho em água por uma noite antes da sua confeção (para esta, substituir a água). Nos vegetais, como brócolos e couves, o mercado cobre um espetro amplo de produtos, permite alternar uns com os outros ou reduzir a quantidade de cada um na mistura ideal (100 gramas por refeição num adulto). Podem adicionar-se-lhes na cozedura ervas ou especiarias para a redução dos açúcares indigeríveis (alecrim, salva, tomilho e funcho).

Ingerir líquidos durante as refeições atrasa o processo digestivo. No caso do álcool (generalizado erradamente como «digestivo»), bebê-lo na comida é um hábito ainda pior. Deve beber-se no intervalo entre refeições mas água ou chá. O de sementes de linhaça triturada, referia-o o meu saudoso professor Lobato Guimarães na Farmacologia Médica, é um dos indicados, diariamente, pela ação anti flatulência e contra o inchaço abdominal. Pode comer-se um ovo, em dias alternados, por exemplo. É fácil ter à mão o queijo fresco. Iogurtes com Bífidos ou Lactobacilos acidófilos têm uma ação probiótica importante na prevenção da flatulência. A dieta e o exercício físico (caminhar estimula movimentos intestinais), são as chaves do reduzir a produção de gazes. É impossível eliminá-la por completo.
Henrique Pinto, Professor Doutor

Consulta de Nutrição Clínica