sábado, 24 de outubro de 2009

ONE HUNDRED YEARS OF MIRACLES


One day at a seminar about polio, in a gesture of great enthusiasm, I approached the screen to point out to the ones attending that the little piece of the map, white in a yellow sea, is Portugal. That is to say, in 1985, Portugal was one of the few countries in the world Poliomyelitis free, a mutilating disease, the one that had, at the time, the highest mortality rate in the world for children under the age of five.
Baltazar Leite Rebelo de Sousa was the minister of health and care during the dictatorship in Portugal in the time Marcelo Caetano was in office. He invited two very interesting individuals to collaborate with him, professors Gonçalves Ferreira, Secretary of State, and Arnaldo Sampaio, General Director, to the health area. An unusual circumstance, even for nowadays, of salutary democracy, due to the fact that, one more than the other, were placed in political quadrants almost opposite to the established political regime. Such fact honors as much who invited as the ones invited.
To this fortunate nomination it wasn’t indifferent the fact that Portugal, not only had freed itself from polio before most countries, but also has today the third best value when it comes to infant mortality rate in the world. The creation of Health Care Centers, the vaccination plans, the family planning, the attention given to child health and to pregnant women, the universality and cost-free of the system, were mutual potentiators. Like closing a cycle, I say it at the end of this chapter, is what we can see emerging today in many other places in the world. «Cem Anos de Milagres» (One hundred years of miracles) tells here, in 11 short chapters, one of the biggest victories of Mankind since the revolution of agriculture.
Undertaken by Rotary International (RI) and then supported by large worldwide institutions and governments from all over the world, the Polio Eradication Saga (poliomyelitis and infantile paralysis are other names for the disease) is about to end.
The Rotarians contributed so far with more than US$ 600 million, due to their labor, to their voluntary commitment. More than 20 million volunteers were involved in this effort, a figure impossible to achieve if egocentrism prevailed in the world as some want us to believe. The Task Force promoted by Rotary to raise funds, Advocacy Advisory for Polio Eradication, has gathered more than US$4 billion near the governments and large corporations. Until it’s over it will be necessary to appeal to the depth of the hearts of many more people.
In this superb story, how much time was logic overcome!? Angola, for example, a country devastated by 30 years of civil war, preceded by 10 more years of colonial war, seemed at first the biggest obstacle to polio eradication in the world. Speaking through the radio with the ex-president of RI Luís Vicente Giay, the rebel leader Jonas Savimbi even told him «we are the ones who take care of our children!» But Rotary and its partners won in good terms this and other resistances of no lesser weight.
With the Rotary's US$200 Million Challenge, Rotary tries to correspond to another challenge of the Bill and Melinda Gates Foundation. These multimillionaire patrons of the foundation, friends, philanthropists, people devoted into putting an end to some of the biggest calamities of Mankind, donated this year to Rotary an equal amount with the purpose of making possible the final step of this Saga. There is less than 1% of the root of the problem to eliminate in only 4 countries, Pakistan, Afghanistan and India (in this one, the problem is only technical) and Nigeria (still lacking a greater political involvement of their leaderships).
This is the second disease to be eliminated from the planet. Smallpox, technically easier to beat, was the first. But there are three aspects of this Saga as important as the eradication of polio in itself. One of them, extremely relevant, is the example given to the world. Another resides in the use of the worldwide structure, physical and human, brought together by RI and the Polio Global Initiative, in which it is included, to defeat other diseases, such as the Ebola or Cholera, or to implement the program of the new system of vaccines. As important as the others, it is now possible to obtain from this structure embryos of universal health services in many developing countries.
But such a story has heroes and villains, steps forward and setbacks, extremely particular events, even volunteers and professionals who in many cases took their sacrifice to the highest risk, surviving death.
Two friends had a very particular mark on me due to their involvement in this story, colleague Otto Austel, from the USA, and nurse Jenny Horton, from Australia. I doubt there is anyone who can surpass them.
Seven years ago, under my initiative, the Portuguese television carried out for a long time daily spots appealing to the financial aid of this Saga, whose leading people were some of the most prominent personalities of the country, since the first-lady to the government, in art and in religion. While celebrating the World Polio Day, on the 24th October, children who enter the football field holding hands with the players, in six important games, aired on television, of the first National League, will wear the End Polio Now T-shirts, and at the same time the number of a bank account will be publicly announced which deposit will be endorsed to the Rotary Foundation (TRF), destined to the Saga. And then a big Gala dinner at the Póvoa de Varzim Casino will take place with similar aim. It’s a very beautiful initiative with the support and commitment of the District Commission of the Rotary Foundation at District 1970, conducted by Álvaro Gomes, from the inter-district Commission of the same Foundation, under the responsibility of Gonçalves Afonso (with the support of his Rotary club, Santo Tirso) and the board of the Professional Football League in Portugal, whose president is Hermínio Loureiro, former secretary of States for sports. Kindest regards.
It is the story of this immense Saga, in a draft, as paradigmatic as pungent, that I am now presenting you.
(To be continued in A)
Henrique Pinto
October 09 in World Polio Day
PHOTOS: Advocacy Advisors for Polio Eradication, Europe, Meeting in Zurich, September 2002: it is easy to recognise Anann Balachandrana, WHO Geneva (India), Henrique Pinto (Portugal), Carl-Wilhelm Stenhammar (Sweden), Júlio Sorjús (Spain), Pierre Lannoy (France), Peter Bundgaard (Denmark), Bob Scott (Canada) and Linda Muller, WHO Geneva (Canada);Herminio Loureiro, former secretary of State for sports, chairs Footbol Portuguese League, partner in Polio Fundraising in Polio

ANOTHER TRUTH (A)




Preconceived notions are so powerful! Not rarely the mind blocks the incongruence and puts itself upon the eyes. That is frequently more damaging to the credibility of what we believe to be truth than ignorance by itself. Rotary International and its distinguished partners in the world are about to achieve one of the biggest conquests of always to the welfare of mankind. I believe it is pertinent to render my modest tribute to that effort and to its artisans, using as main informative source, among others, the important document A Century of Service, The history of Rotary International.
In the spring of 1972, Charles Rowlands, then governor of the rotary district 730, from Pennsylvania, and its successor Niles Norman, attended Rotary Club of Oakland session at the Pittsburgh section, in the United States. The keynote addresses on professional services have a long tradition in Rotary. In that scope and on that day it was the turn of the elected club president who was about to assume its place, Dr. Robert Hingson, to tell the story of his career.
Hingson had invented what he called a “peace gun» and explained to the club how it could be used with multiple doses of vaccines injected to immunize a large number of people infinitely faster than with the method of the traditional syringe. The WHO had successfully used this weapon in the mass immunization against smallpox. Dr. Jonas Salk, born 96 years ago in New York, being 41 years old at the time, at his team of researchers, gave to the world the first vaccine against polio freeing millions of families from the asphyxia from the fear in the endless days passing by. Salk’s polio vaccine that prevailed then was injectable. The idea of mass immunization against poliomyelitis began, in fact, here. The history of the great challenges has always fascinated man. The Egyptian pyramids or the Great Wall of China as well as the hundreds of giant statues in the Easter Island in Polynesia still nowadays impress wise man and nonbelievers only due to the fact that it was able to raise them. The maritime work of Infante D. Henrique (Henry the Navigator), the accomplishments of Vasco da Gama, of Ferdinand Magellan or Christopher Columbus, touch us because of their boldness in face of the scarce resources of the time. Gavin Menzies, obviously controversial, raises our admiration with the book 1421: The Year China Discovered the World, by invoking the long navigation of Zheng He fleet throughout all the continents a quarter of century before the achievements of the Iberian seamanship. I find in this entrepreneurial spirit and such tremendous boldness facing the unknown, more than travelling to space, many similarities with what would be the involvement in the Saga of polio.
(To be continued in B)

Henrique Pinto
October 09 in World Polio Day
PHOTOS: Vasco da Gama, the Portuguese navigator who discovered the way to get India through the sea, in the 15th century; Henrique Pinto and RIPP Carl-whilhelm Stenhammar (who chairs RI Polio Initiative Task Force), good friends in an Institute break; Dr. Albert Sabin 1906-93

UM CAMINHO DAS ÍNDIAS

Os três relatórios seguintes foram recentemente recebidos do PGD Gulam Vahanvaty, Coordenador da Zona 4 B para o Grupo de Recursos em Literacia/Alfabetização (Índia ocidental). Os relatórios foram encaminhados para ele pelos seus contactos na área da Literacia/alfabetização abaixo identificados.
Cada projecto dirige-se a um problema de literacia/alfabetização profissional que é suposto encontrar-se em quase todos os lugares do mundo.
1.Um projecto de Literacia/Alfabetização para adolescentes talentosos cuja preparação nas escolas básicas os põem em risco de verem recusada a oportunidade de entrarem numa profissão onde eles realizem todo o seu potencial.
(D-3140, Alok Sekhsaria, presidente, Relatório da Comissão de Educação para todos
«A demografia tem-nos brindado com uma das maiores e mais jovens bases de recursos humanos no mundo… A presente infraestrutura respeitante à educação básica… assegurou que estamos encarando uma situação onde esta vasta massa de energia inactiva não está sendo usada com efectividade. O resultado podia ser descontentamento progressivo a evoluir para reacção conflituosa».
«A Comissão de Educação para Todos do Rotary Club de Bombaim lançou Bhavishya Yaan (uma missão para o futuro), inspirada pela Chandra Yaan da Índia (uma missão para a lua). (Esta é) o desenvolvimento dum programa de capacitação/Formação que podia dirigir esta situação a um nível micro e montar o cenário para ele ser escalado e ter emulação em vários níveis e locais».
«Este esforço começou em Janeiro de 2009 no município de Ambedkar, Worli, Mumbai (antiga cidade de Bombaim), com 40 estudantes dos seus programas médios Marathi, Urdu e Hindi. Em Junho de 2009 subiu para 120 estudantes.
Os estudantes de rotinas rápidas «Bhavishya Yaan são pré-seleccionados nos níveis 8 e 9, com acompanhamento bem planeado em inglês conversacional, capacidades leves e educação de computador. O programa está a evoluir e inclui um curso de apreciação artística e uma notável série de leituras, produto registado como «Lições de Vida», para lhes fornecer esse input critico ainda indefinível chamado «revelação». Há um programa de mentores Rotários na Escola Ambedkar, sessões de aconselhamento com peritos e espectáculos de motivação cultural. Uma recolha sistemática de informação regista as aspirações dos estudantes, os seus antecedentes familiares e a sua história médica. Esta informação ajuda-nos a canalizar as suas energias na direcção para a qual eles mostram inclinação.
2. Um Projecto de Salvar Delinquentes Juvenis
(D-3030, Relatório do PGD Vishwas Sahasrabhojanee
O Rotary Club de Nagpur participou com o Comissariado de Polícia local para reabilitar delinquentes juvenis e torná-los trabalhadores e cidadãos produtivos. No presente, 60 desses jovens são tutorados em vários aspectos da vida e adestrados com aptidões em literacia/alfabetização funcional. Quatro assistentes sociais /professores providenciam a tutorização e o clube paga os salarios anuais. Os Rotários supervisionam os progressos do projecto.
3. Uma Literacia/alfabetização de Carácter («Ética), Projecto de Livro – KKAC, Relatório de Lata Subraidu
O D-3140 subsidia um projecto que põe livros de histórias de Literacia/alfabetização de Carácter nas mãos de milhares de crianças indianas. O projecto é chamado Katha Kahani aur Copy (KKAC). Como informa Subraidu, «o KKAC é um «note book» emerso em histórias baseadas na ética e nos valores. Está sob a forma dum livro para as crianças deixarem os seus pensamentos depois de lerem as histórias: como foram inspiradas por estas histórias; o que teriam feito na mesma situação; como é que estas histórias os inspiraram a serem melhores seres humanos».
O D-3140 distribuiu 16 450 «note books». Dez mil livros foram subsidiados pela Indian Oil Lda., e foram distribuídos em áreas longínquas de Talasari, Dahanu e Kalian. Estes foram em Marathi. O resto, em inglês, foi subsidiado pelos Rotary Clubs no Distrito 3140. Nós esperamos que outros clubes e distritos distribuam tantos «note books» quanto possível para assegurar um futuro com ética (ou com base na), das futuras gerações, com um bom sistema de valores»
Richard Hattwick com Henrique Pinto
Outubro 09
FOTO: Richard Hattwick, Coordenador Mundial para a Literacia/Alfabetização

THE INITIAL OBSTACLES (B)


Dr. Albert Sabin, inventor of the oral polio vaccine, was also a strong proponent of the mass immunization against that disease. He had tested its effectiveness in the Soviet Union, in Eastern Europe and in Cuba. In those days the majority of the world leaders on public health preferred a more gradual approach, directed simultaneously to several diseases preventable with vaccination through routine immunization programs, which could be sustainable. Due to that reason they didn’t promptly accepted the «vertical programs» against polio.
Albert Sabin lived in a beautiful Cincinnati town in the State of Ohio, which I’m very fond of, molded in a very elegant architecture, where one instantaneously verifies its ascendancy in German immigration. He was an honorary member of the local Rotary Club. Frequently gave speeches in clubs and at conferences of the district. In 1980 was invited to participate as a speaker in the Chicago Convention. He ended his speech challenging the organization to get involved in the mass immunization against polio.
The conceptualization of the definitive elimination of the polio virus by Rotary slowly started, therefore, to take its course. The germination of the ideas, the sedimentation of the convictions regarding the facts of such an endeavor and the construction of financial and political instruments that would evolve into such a noble purpose, marked the seventies decade.
The joint efforts of the three consecutive presidents of RI, Jack Davis, Glem Renouf and James Bomar, led to the formation of the 3 H Program, which ended up growing and normally evolving into the PolioPlus Program.
W. Jack Davis, from Bermuda, which arrived to the presidency in July of 1977, had a very strong motto, Serve to Unit Mankind. He suggested the Commission in charge of planning the 75th Anniversary of RI to consider a program related to the International Year of the Child of the United Nations, in 1979.
Davis sent his executive assistant Herbert Pigman to the WHO headquarters in Geneva, Switzerland, to discuss the ways Rotary could continue with its proposal to fight poliomyelitis. The WHO was not very encouraging. The representatives in charge
painted a dark picture regarding costs – as well in terms of human resources as in economic terms – to inoculate the children of the world with the vaccine against polio. They even gave little value to the Rotary Program of immunization that in only one round took place in Guatemala, as if it wasn’t more than a well intentioned effort that, more than helping, would embarrass the main WHO goals.
(To be continued in C)

Henrique Pinto

October 09 in World Polio Day
PHOTOS: During a NID Henrique Pinto, as a doctor, examines an ill child on the road to Nambuangongo, Angola, while Manuel Cardona essays to make a new picture; Jack Davis, Bermudas, RI president 1977/8

A INDIGNAÇÃO DE PHILIP ROTH

Cerca de dois meses e meio depois de as bem treinadas divisões da Coreia do Norte, armadas pelos soviéticos e pelos comunistas chineses, terem atravessado o paralelo 38 e entrado na Coreia do Sul, no dia 25 de Junho de 1950, e de terem começado os horrores da Guerra da Coreia, entrei eu em Robert Treat, pequena universidade do centro de Newark que recebeu o nome do homem que no século XVII fundou a cidade. Era o primeiro membro da minha família a tentar tirar um curso superior. Nenhum dos meus primos tinha passado do liceu, e nem o meu pai nem os seus três irmãos tinham completado o ensino básico. «Trabalhei para ganhar a vida desde os dez anos», dizia-me o meu pai. Era um talhante de bairro para quem eu tinha feito de bicicleta a distribuição das encomendas durante todo o curso do liceu, tirando a época de basebol e as tardes em que tinha de participar em debates interescolares como membro da equipa da mimha escola. Praticamente no dia em que deixei o talho – onde, entre o fim do curso liceal em Janeiro e a entrada na faculdade em Setembro, tinha feito para ele semanas de sessenta horas de trabalho – praticamente no dia em que comecei as aulas em Robert Treat, o meu pai começou a ficar apavorado com a ideia de que eu ia morrer. Talvez o seu medo tivesse alguma coisa que ver com a guerra, em que as forças armadas dos Estados Unidos, sob os auspícios das Nações Unidas, tinham entrado imediatamente para apoiar os esforços do exército da Coreia do Sul, mal treinado e deficientemente equipado; talvez tivesse alguma coisa que ver com as pesadas baixas que as nossas tropas estavam a sofrer contra o poder de fogo comunista e com o medo de que, se o conflito se arrastasse tanto como a Segunda Guerra Mundial, eu fosse mobilizado e acabasse a lutar e a morrer no campo de batalha da Coreia como os meus primos Abe e Dave tinham morrido durante a Segunda Guerra Mundial. Ou talvez o medo tivesse que ver com as suas preocupações financeiras: no ano anterior tinham aberto o primeiro supermercado do bairro a poucos quarteirões de distância do talho kosher da nossa família, e as vendas tinham começado a cair acentuadamente, por um lado porque a secção de carne e aves do supermercado vendia mais barato do que o meu pai e por outro porque no pós-guerra se tinha verificado um declínio no número de famílias que faziam questão de manter lares kosher e comprar carne e aves kosher num talho certificado pelo rabino e cujo dono era membro da Federação de Talhantes kosher de Nova Jérsia. Ou talvez o medo que tinha por mim começasse por ser medo que sentia por si mesmo, porque aos cinquenta anos de idade, depois de gozar uma vida de excelente saúde, o homem atarracado e rijo começava a ter aqueles ataques de tosse persistente e atroz que, apesar de muito preocuparem a minha mãe, não o impediam de passar um dia inteiro com um cigarro aceso ao canto da boca. Fosse qual fosse a causa ou a mistura de causas que esteve na base da mudança abrupta do seu comportamento de pai até então benévolo, exteriorizava o seu medo atazanando-me dia e noite com perguntas sobre o meu paradeiro.» (…)
Philip Roth
In Indignação (Indignation, no original), páginas 15-16, o último Romance de Philip Roth publicado em Portugal (um dos meus escritores preferidos, porventura o melhor autor contemporâneo, Hpinto), edição de Publicações D. Quixote, 2009

CEM ANOS DE MILAGRES




Um dia num seminário sobre a polio, num gesto de entusiasmo, fui perto do ecrã a indicar aos presentes, «aquele pedacinho do mapa, a branco num mar de amarelo, é Portugal». Ou seja, em 1985, Portugal era dos poucos países do mundo já libertos da poliomielite, doença mutilante, a de mais alta mortalidade no mundo, à altura, para as crianças de menos de cinco anos de idade.
Baltazar Leite Rebelo de Sousa foi ministro da saúde e assistência da ditadura em Portugal ao tempo de Marcelo Caetano. Convidou para colaboradores duas pessoas muito interessantes, os professores Gonçalves Ferreira, secretário de Estado, e Arnaldo Sampaio, director geral, para a área da saúde. Uma circunstância invulgar mesmo nos dias de hoje, de saudável democracia, porquanto, um mais que outro, se situavam num quadrante político quase oposto ao do regime político vigente. O que só honra tanto quem convidou como quem foi convidado.
A esta feliz nomeação não é indiferente o facto de Portugal, não apenas se ter liberto da polio antes da maioria dos outros países, como o ter hoje o terceiro melhor valor para a taxa de mortalidade infantil no mundo. A criação dos centros de saúde, os planos de vacinação, o planeamento familiar, a atenção à saúde da criança e da grávida, a universalidade e gratuitidade do sistema, potenciaram-se mutuamente. Como a fechar um ciclo, digo-o no fim deste capítulo, é isso que se pode ver hoje a emergir em muitos outros lugares do mundo.
«Cem Anos de Milagres» conta aqui, em 11 capítulos curtos, uma das maiores vitórias da Humanidade desde a revolução da agricultura. Empreendida por Rotary International (RI) e depois apoiada por grandes instituições planetárias e governos em todo o mundo, a Saga da erradicação da polio (poliomielite e paralisia infantil são outros dos nomes da doença) está à beira do fim.
Os Rotários contribuíram até agora com mais de US$ 600 milhões, fruto do seu labor, do seu empenho voluntário. Envolveram neste esforço mais de 20 milhões de voluntários, uma cifra impossível de conseguir se o egocentrismo prevalecesse no mundo como há quem queira nisso fazer-nos crer. A Task Force promovida por Rotary para angariação de fundos, Advocacy Advisory for Polio Eradication, já recolheu mais de US$4 biliões junto dos governos e grandes corporações. Até ao fim será ainda necessário apelar ao fundo do coração de muito mais gente.
Nesta história soberba, quantas vezes foi superada a lógica!? Angola, por exemplo, país devastado por uma guerra civil de 30 anos, antecedida por mais de dez anos de guerra colonial, parecia à partida o maior dos obstáculos à erradicação da polio no mundo. Falando pela Rádio com o ex presidente de RI Luís Vicente Giay, o líder rebelde Jonas Savimbi chegou a dizer-lhe «das nossas crianças tratamos nós!» Mas Rotary e os seus parceiros venceram por bem esta e outras resistências de não menor peso.
Com o desafio Rotary’s US$200 Million Challenge, Rotary procura corresponder a mais um repto da Fundação Bill e Melinda Gates. Estes multimilionários patronos da fundação, amigos, filantropos, pessoas devotados a porem fim a alguns dos maiores flagelos da Humanidade, doaram este ano a Rotary uma verba igual a essa com o fito de possibilitarem o último passo desta Saga. Falta eliminar menos de 1% da raiz do problema em apenas 4 países, Paquistão, Afeganistão e Índia (neste, o problema é apenas técnico) e Nigéria (a carecer ainda de maior envolvimento político das suas lideranças).
Trata-se da segunda doença a ser eliminada do planeta. A varíola, tecnicamente mais fácil de vencer, foi a primeira. Mas há três aspectos desta Saga tão importantes como a erradicação da polio em si mesma. Um deles, relevantíssimo, é o exemplo dado ao mundo. Outro deles reside na utilização da estrutura mundial, física e humana, montada por RI e pela Iniciativa Global da Polio, em que se inclui, para combater outras doenças, desde o vírus Ébola à Cólera, ou implementar o programa do novo sistema de vacinas. Tão importante como os restantes, é o ser possível agora emanarem desta estrutura embriões de serviços de saúde universais em muitos países em desenvolvimento.
Mas uma história assim tem heróis e vilões, avanços e recuos, ocorrências singularíssimas, mesmo voluntários e profissionais que em muitos casos levaram o seu sacrifício até ao risco extremo, sobrevindo a morte.
Duas pessoas amigas marcaram-me muito particularmente no seu envolvimento nesta história, o colega Otto Austel, EUA, e a enfermeira Jenny Horton, da Austrália. Duvido que haja quem os supere.
Há sete anos a televisão portuguesa, por minha iniciativa, promoveu longamente spots diários apelando à ajuda financeira a esta Saga, protagonizados por algumas das figuras mais destacadas do país, desde a primeira-dama ao governo, na arte e na religião. Ao celebrar-se o Dia Mundial da Luta Contra a Polio, a 24 de Outubro, as crianças que entram em campo pela mão dos jogadores de futebol, em seis jogos importantes, televisionados, da primeira Liga Nacional, usarão as T shirts End Polio Now, ao mesmo tempo que está a ser publicamente divulgado o número duma conta bancária cujo depósito será endossado à Rotary Foundation (TRF), destinado à Saga. E far-se-á, como então, um grande jantar no Casino da Póvoa de Varzim com igual propósito. É uma iniciativa belíssima com o apoio e empenho da Comissão Distrital da Rotary Foundation no Distrito 1970, conduzida por Álvaro Gomes, da Comissão inter-distritos da mesma Fundação sob a responsabilidade de Gonçalves Afonso (apoiado pelo seu Rotary Club, de Santo Tirso) e da direcção da Liga Profissional de Futebol em Portugal, a que preside Hermínio Loureiro. Bem hajam.
É a história desta Saga imensa, em esboço, paradigmática quanto pungente, que vos apresento de seguida.
Henrique Pinto
Setembro 09, no Dia Mundial da Polio
FOTOS: Otto Austel, de quem ouvi falar em África como o médico herói e que conheci depois em Brisbane, Austrália, em 2003, com a esposa e comigo no Hilton Hotel em Anaheim, EUA, 2005; Gonçalves Afonso e Gabriel Roldão, Marinha Grande, 2002; slogan End Polio Now

UMA OUTRA VERDADE (1)




As noções preconcebidas são tão poderosas! Não raro, a mente bloqueia a incongruência e sobrepõe-se aos olhos. O que é frequentemente mais danoso para a credibilidade daquilo que temos por verdade do que a ignorância por si mesma. Rotary International e seus ilustres parceiros no mundo estão à beira de conseguir uma das maiores conquistas de sempre para o bem-estar da humanidade. Entendo pertinente prestar o meu modesto tributo a esse esforço e aos seus artífices, servindo-me como principal fonte informativa, entre outras, do importante documento Um Século de Serviço, A história de Rotary International.
Na primavera de 1972 Charles Rowlands, então governador do distrito rotário 730, da Pensilvânia, e o seu sucessor Niles Norman, assistiram a uma sessão do Rotary Club de Oakland na secção de Pittsburgh, nos Estados Unidos. As palestras sobre serviços profissionais são de longa tradição em Rotary. Nesse âmbito e nesse dia era a vez do presidente eleito do clube em vésperas de assumir o lugar, o Dr. Robert Andrew Hingson, contar a história da sua carreira.
Hingson tinha inventado aquilo a que chamou uma «arma de paz» e explicou ao clube como é que podia ser usada com doses múltiplas de vacina injectável para depois imunizar um largo número de pessoas infinitamente mais depressa do que com o método da seringa tradicional. A OMS tinha usado esta arma com sucesso na imunização de massas contra a varíola. O Dr. Jonas Salk, nascido há 96 anos em Nova Iorque, contando 41 anos à altura, e a sua equipa de investigadores, deram ao mundo a primeira vacina contra a polio libertando milhões de famílias da asfixia do medo nos dias que se sucedem infindos. A vacina de Salk para a polio então prevalente era injectável. A ideia da imunização de massas contra a poliomielite começava de facto aqui.
A história dos grandes desafios sempre fascinou o homem. As pirâmides do Egipto ou a Grande Muralha da China como as centenas de estátuas gigantes da Ilha de Páscoa na Polinésia impressionam ainda hoje sábios e incréus só pelo facto de ter sido possível erguê-las. A Obra marítima do Infante D. Henrique, os feitos de Vasco da Gama, de Fernão de Magalhães ou Cristóvão Colombo, tocam-nos pelo arrojo face aos recursos da época. Mas já Gavin Menzies, polémico obviamente, nos suscita mais admiração com o livro 1421, O Ano em que a China Descobriu o Mundo, ao evocar a longa navegação da armada de Zheng He por todos os continentes um quarto de século antes dos feitos da marinhagem ibérica. Encontro neste espírito empreendedor e em tamanho arrojo no desconhecido, mais do que ao do viajar no espaço, muitas semelhanças com o que viria a ser o envolvimento na Saga da polio.
Henrique Pinto
Setembro 09, no Dia Mundial da Polio
FOTOS: O Dr Jonas Salk, com a sua equipa, produziu a primeira vacina contra a polio, então injectável (aqui imunizando uma criança); a proeza da Saga da Polio não é de somenos face às descobertas dos portugueses e de Critóvão Colombo (na foto), nem mesmo em relação às das armada de Zheng He, descritas por Gavin Menzies no livro 1421 (capa na foto)

OBSTÁCULOS INICIAIS (2)


O Dr. Albert Sabin, inventor da vacina oral da polio, era também um forte proponente da imunização de massas contra esta doença. Ele testara a sua eficácia na União Soviética, na Europa de Leste e em Cuba. Nessa altura a maioria dos líderes de saúde pública mundiais preferia uma aproximação mais gradual, dirigida simultaneamente a várias doenças evitáveis pela vacinação através de programas de imunização de rotina, que podiam ser sustentáveis. Por isso mesmo não aceitaram prontamente «programas verticais» contra a polio.
Albert Sabin vivia na bonita cidade de Cincinnati no Estado de Ohio, que muito aprecio, moldada numa arquitectura elegante, onde é instantâneo o atestar da sua ascendência na imigração alemã. Era membro honorário do Rotary Club local. Discursava frequentemente em clubes e conferências de distrito. Em 1980 foi convidado a participar como orador na Convenção de Chicago. Terminou o seu discurso com o desafio à organização para se envolver na imunização de massas contra a polio.
O conceptualizar da eliminação definitiva do vírus da polio por parte de Rotary começava assim lentamente a fazer o seu percurso. A germinação das ideias, a sedimentação das convicções quanto à factibilidade dum tal empreendimento e a construção de instrumentos financeiros e de política que evoluiriam para tão nobre propósito, marcaram a década de setenta.
Os esforços conjugados de três presidentes consecutivos de RI, Jack Davis, Glem Renouf e James Bomar, conduziram à formação do Programa 3 H, o qual acabou por crescer e evoluir normalmente para o Programa PolioPlus.
W. Jack Davis, das Bermudas, que assumiu a presidência em Julho de 1977, tinha um lema fortíssimo, Servir para Unir a Humanidade. Sugeriu que a Comissão de Planeamento do 75º Aniversário de RI considerasse um programa ligado ao Ano Internacional da Criança das Nações Unidas, em 1979.
Davis enviou o seu assistente executivo Herbert Pigman à sede da OMS em Genebra, na Suíça, para discutir as formas de Rotary poder prosseguir com a sua proposta de combate à poliomielite. A OMS não foi encorajadora. Os seus responsáveis pintaram então um quadro bastante negro quanto aos custos – tanto em termos de recursos humanos como económicos – para inocular as crianças do mundo com a vacina contra a polio. Deram mesmo pouco valor ao Programa de Rotary de imunização numa só volta operado na Guatemala, como se não fosse mais que um esforço bem intencionado que, mais do que ajudar, iria embaraçar os objectivos últimos da OMS.
Henrique Pinto
Setembro 09, no Dia Mundial da Polio
FOTOS: NID em Angola, 2002, Manuel Cardona, Silvia Nagy, Carlos Lança, Manuel João Madureira Pires e Henrique Pinto, líder da missão; o presidente de RI James L. Bomar Jr., 1979-80, imunizando uma criança

A MUDANÇA GLOBAL (3)


Quando em 1978 o Board considerou pela primeira vez a ideia da vacinação global – o presidente era então Clem Renouf of Nambour, de Queensland, Austrália – compreendeu que os clubes podiam objectar à natureza «corporativa» dum tal projecto. E mais, a resolução 23-34 desencorajava ainda RI de sugerir campanhas colectivas ou projectos para clubes individuais.
Não se trata já da centelha fumarenta e evanescente mas da própria chama que iluminará um outro grande momento de viragem na estratégia de RI. O próprio movimento teve de empreender mudanças estruturais internas, globais, para perspectivar um projecto à escala mundial. Uma operação tanto mais delicada e morosa quando se sabe que as mensagens são mais lentas que os mensageiros mesmo a uma escala modesta. Que dizer então quanto a um cenário como o dos clubes de todo o mundo?
Renouf tinha feito uma outra proposta ao executivo nas suas últimas semanas como presidente eleito. O que levou à criação dum Fundo para a comemoração do 75º aniversário composto inteiramente por contribuições voluntárias que seriam recolhidas num período de dois anos a começar em 1978. Os fundos seriam gastos em «grandes programas de serviço internacionais, como por exemplo num esforço mundial na imunização de crianças e adultos» por não mais do que cinco anos.
Na Convenção de RI em Tóquio, em 1978, Hingson voltou a encantar os rotários. Falou da sua «arma de paz» e também da visão que o motivava para uma campanha de imunização internacional de Rotary. É então que o presidente eleito Clem Renouf mata dois coelhos num só golpe de cajado sugerindo aos rotários que o novel Programa 3 H e os projectos de imunização deveriam ser ligados e pagos com as contribuições para o Fundo do 75º aniversário.
Uma vez mais RI pediu conselho à OMS para se poder saber com consistência científica por onde começar. A resposta sugeria a Indonésia, a Papua Nova Guiné ou as Filipinas. Logo em 1979, o Dr. Sabino «Benny» Santos do Rotary Club de Malolos, nas Filipinas, submeteu ao Board uma proposta de subsídio 3 H, alegando que levaria a cabo um projecto de imunização contra a polio no seu país. Era um apelo de aceitação quase obrigatória. Dentre as 32 nações da OMS da Região do Pacífico Ocidental, as Filipinas tinham 45% de todos os casos de polio e 74% de todas as mortes por esta doença. Além disso, Rotary tinha uma forte implantação naquele país, um enorme benefício para a necessária mobilização de voluntários. Um antigo secretário de Estado do país estava no clube de «Benny» Santos, e o secretário de Estado indigitado era um dos membros do Rotary Club de Manila, na capital das Filipinas.
Henrique Pinto
Setembro 09, no Dia Mundial da Polio
FOTOS: Manila, capital das Filipinas, casas «espanholas» em Intramuros; Dr. Sabino «Beny» Santos, uma proposta de subsídio 3H decisiva para a Campanha de Erradicação da Polio

A BIRRA DE IMELDA MARCOS (4)


A 1 de Julho de 1979 James L. Bomar Jr., de Shelbyville no Tennessee, tomou posse como presidente de RI. O Board de Rotary aprovou então a verba de US$760 000 para comparticipar a administração da VOP (a vacina oral da polio, de Sabin), no primeiro projecto 3 H que imunizaria um milhão de crianças nas Filipinas.
Mas antes era preciso conseguir a devida autorização do governo filipino.
Bomar, o seu Aid Charles Keller, antigo director de RI e o novo director oriundo das Filipinas, Mat Caparas (tornar-se-iam ambos presidentes de RI), foram saudados no Palácio Presidencial em Manila pelo Chefe de Estado Fernando Marcos. Foi um encontro muito cordial. Mas quando o assunto se virou por inteiro para a sua autorização do projecto de imunização Marcos disse: «Eu não tenho nada a ver com essa espécie de coisas. Têm de tratar disso com a minha mulher. Ela é a ministra do interior».
As circunstâncias eram favoráveis para conseguirem obter num ápice um encontro com Imelda Marcos. Mas à hora de a recepção se concretizar ela não apareceu. Quando finalmente foi possível abordá-la estava possessa. Brandia a revista Time que publicara um artigo crítico sobre o regime filipino. «Olhem o que vós americanos estão a dizer sobre mim e o meu marido! Porque é que eu devo fazer alguma coisa para vos ajudar quando espalham estas mentiras?». Não sem grande esforço, e falando da liberdade de imprensa na América, não passível de controlo governamental, do facto de Rotary não ser uma organização americana, e acentuando ainda a importância da sua assinatura para fazer a diferença entre a vida e a morte de milhares de crianças no seu país, ainda que hesitante ela deu a necessária permissão.
Jim Bomar administrou a primeira dose de vacina espremendo duas gotas do líquido na língua duma criancinha. Mal acabara de o fazer viu lágrimas nos olhos da mãe. E sentiu um puxão na perna das suas calças. Olhou para baixo e viu um dos jovens mutilados que rastejavam, um dos que tinham sido paralisados pela polio. «Obrigado», disse o rapaz. «Obrigado, obrigado!». E fez uma pausa como que para se lembrar da próxima palavra. «Rotary». Então elevou da poeira o braço esbranquiçado e apontou para o bebé a quem Bomar tinha acabado de vacinar. «Minha irmã», disse com um cintilante sorriso de orgulho.
Ninguém o sabia então, mas aquela criancinha estava destinada a ter um efeito muito intenso no desenrolar futuro de Rotary.
Pouco tempo antes as crianças das escolas italianas tinham contribuído com o dinheiro do seu lanche para as crianças das escolas filipinas, através dos esforços do antigo governador de distrito Sérgio Mulitsch e do novel Rotary Club de Treviglio e della Pianura Bergamasca. O que deu para comprar meio milhão de doses de VOP (vacina oral da polio).
Henrique Pinto
Setembro 09, no Dia Mundial da Polio
FOTOS: Ferdinand Marcos, Ronald Reagan e Imelda Marcos; Charles (Chuck) Keller, presidente de RI 1987/88

TAMANHO E IMPROCEDÊNCIA (5)


O presidente de RI 1981-82 Stanley E. McCaffrey estabeleceu a Comissão dos Novos Horizontes para propor um rumo de longo curso para Rotary e nomeou Cliff Dochterman como seu chairman. Dochterman é um pensador criativo, muito activo e incansável ainda hoje. Tinha sido um dos três co-chairmen da Comissão 3 H e viria a ser presidente de RI em 1992-93.
Desde logo esta comissão inquiriu os rotários do mundo inteiro quanto a sugestões de futuro e analisou depois cada uma das 2900 respostas. Uma delas era do Dr. John L. Sever, um ex governador de distrito de Potomac, Maryland, e impressionou vivamente. Por profissão Sever tinha presidido ao ramo de doenças infecciosas dos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos e era membro há muito tempo da Comissão 3 H. Ele propunha que Rotary deveria imunizar todas as crianças da terra contra as doenças evitáveis pela vacinação até ao fim do século. A sua sugestão foi adaptada para aprovação como decisão do Board de RI em Fevereiro de 1982 em termos de «imunizar todas as crianças do mundo contra a polio até ao 100º aniversário de Rotary International no ano 2005».
A Comissão 3 H empurrou para a frente o Programa polio 2005 com projectos na Bolívia, Haiti, Marrocos e Serra Leoa. Foi o Dr. Carlos Canseco, de Monterrey, no México, que se tornou presidente de RI em 1984, quem reacendeu a chama no plano de luta. Canseco tinha estado na linha da frente dos esforços de erradicação da polio no seu próprio país e era um amigo de Sabin. Ninguém melhor que uma voz de experiência poderia ser o mais forte dos proponentes dos métodos de imunização de massas.
«Se simplesmente proporcionar dinheiro para um país vacinar as suas crianças em pequenos grupos ao longo do ano é um total desperdício», dizia Canseco. «É como assobiar para o vento». Argumentava com o ponto de vista de Sabin de que se fosse administrada a vacina da polio a todas as crianças do país no mesmo dia elas tornar-se-iam todas imunes simultaneamente. Nessa altura ainda se acreditava que a vacina de Sabin conferia imunidade de grupo. Se por acaso uma criança fosse perdida....tudo bem!
Através da direcção do presidente Canseco e do trabalho de vários amigos que eram verdadeiros crentes na potencialidade do programa, a OMS aceitou Rotary como uma organização não governamental parceira (ONG). Canseco anunciou oficialmente ao mundo rotário o Programa polio 2005 em 23 de Fevereiro de 1985, dia do 80º aniversário de Rotary. Oito meses mais tarde no 40º aniversário das Nações Unidas, o secretário-geral de RI Herb Pigman anunciou este plano de Rotary aos Chefes de Estado que se tinham reunido para oficializar o «desenhar dum objectivo para a obtenção de níveis de imunização contra as doenças evitáveis pela vacinação até 80% para todas as crianças do mundo». O compromisso de Rotary electrificou a comunidade global da saúde. Tamanho encargo por parte duma ONG era improcedente no seu espectro financeiro e no programa potencial. Trabalhadores de saúde pública aliciados pela grandeza dos objectivos podiam agora apelar ao know how e aos recursos de um milhão de rotários para ajudá-los a ultrapassar obstáculos na distribuição de vacina da polio.
Henrique Pinto
Setembro 09, no Dia Mundial da Polio
FOTOS: José (Pepe) Tortosa (Espanha), Carlos Canseco (México) e Örsçelik Balkan (Turquia), Anaheim 2005; Herbert Pigman e Alfredo Pretoni, Chicago , EUA, 2005

OS MAGNÍFICOS (6)


Um volume informe de trabalho aparecia agora pela frente. Nenhuma organização podia levar a cabo um tal projecto apenas pelas suas próprias mãos. Rotary fez equipa com a OMS, o UNICEF, e mais tarde com o CDC. Gradualmente estas organizações vieram a reconhecer Rotary como um parceiro valioso e de confiança. O staff» era treinado na sede de RI em Evanston, Chicago, e novas comissões iam sendo formadas unicamente para focar o que dentro em breve seria rebaptizado como Campanha PolioPlus.
Havia dois grandes desafios a enfrentar no imediato por Rotary. Primeiro, conseguir arranjar a quantia de US$120 milhões. Uma Comissão internacional da Campanha PolioPlus presidida por Leslie Wright, de Birmingham, Alabama, organizou a recolha de fundos à escala mundial. Seria uma experiência de franca aprendizagem a todos os níveis de Rotary. Walter Maddocks, das Bermudas, antigo governador de distrito, tornou-se director da campanha. Jack Blane, de Wheeling, Illianois, também ex governador de distrito, que era coordenador internacional executivo da campanha, apoiou-o. Ambos trabalharam a tempo inteiro na campanha durante dois anos como voluntários não pagos.
Eles superintenderam a 44 comissões nacionais e multinacionais, e a 11 coordenadores internacionais, os magníficos como ficaram conhecidos. Um deles foi Marcelino Chaves, ex governador do distrito Portugal, mais tarde director de RI. Por sua vez aqueles rotários providenciaram orientação e direcção a 84 coordenadores nacionais e foram o principal contacto para os 450 presidentes PolioPlus distritais. Dentro de cada distrito cada conjunto de 7 clubes foi afectado a um dos 3300 coordenadores de área, que eram a ligação a mais de 20000 presidentes PolioPlus ao nível de clube. Foi uma estrutura que rivalizou com muitos dos mais elaborados planos de batalha dos mais famosos generais.
Todo o planeamento alcançou o clímax com o anúncio público da Campanha PolioPlus em Nova Iorque a 10 de Julho de 1987. O então presidente de RI Charles Keller e a sua equipa de 467 governadores em todo o mundo fizeram da campanha a sua prioridade. A actividade engenhosa da campanha e a prática normal dos distritos foram de alguma forma integradas.
Logo que a campanha foi lançada foram treinados voluntários seniores para apelar a grandes dádivas financeiras. Algo que Rotary nunca tinha feito nos seus 84 anos de história. Apesar da sua relutância inicial eles «seguiram o plano». E o rotário W. Clement Stone, de Chicago fez uma doação de um milhão de dólares. O rotário australiano Les Whitcroft, que liderou a Campanha PolioPlus no seu país, e a sua mulher Shirley – ela mesma uma sobrevivente da polio – fizeram um donativo de US$250 000.
Gradualmente os rotários começaram a reconhecer que estavam envolvidos num acontecimento que iria fazer história. Nunca antes Rotary embarcara num projecto mundial. Nunca antes eles se tinham proposto angariar US$120 milhões. Nunca até aí tinham emparceirado com Agências de tanta visibilidade como a OMS, o UNICEF e o CDC. A partir daí Rotary não voltaria a ser o mesmo do passado recente.
Henrique Pinto
Setembro 09, no Dia Mundial da Polio
FOTOS
: Marcelino Chaves foi um dos magníficos do mundo na primeira recolha de fundos para a polio, aqui na Curía (Portugal), 2002, ladeado por Alceu Vezozzo; Mat Capares, presidente de RI em 1986/7, perguntava-me sempre «e o Marcelino?!»

A HORA MAIS PRECIOSA (7)




O segundo dia da Convenção Internacional de Filadélfia, a 24 de Maio de 1988, é lembrado como um dos momentos mais excitantes do primeiro século de Rotary. O Auditório do Centro Cívico estava mais que cheio quando Maddocks começou a chamada ao palco de cada um dos 44 presidentes nacionais/multinacionais. As luzes tinham sido desligadas à volta do auditório. À medida que cada país rotário anunciava os resultados da sua recolha de fundos acendia-se um bolbo por cada 800 000 crianças que agora podiam ser imunizadas. Foi um dia em que até o presidente Keller gritou. Tal como o fizeram com ele milhares de rotários. Foi, como Keller declarou e se dizia no certificado comemorativo entregue a cada um dos presentes «A hora mais preciosa de Rotary».
Durante a própria Convenção a OMS propôs-se mudar de modo ambicioso o objectivo de controlo da polio para erradicação no ano 2000 (com a certificação a vir mais tarde), se Rotary pudesse concorrer para isso. Depois duma consulta rápida com directores, curadores, líderes de campanha e de Task force, o presidente Keller reafirmou a participação e o compromisso de Rotary nesse propósito.
Durante 12 anos William Sergeant e a Comissão Internacional PolioPlus, com uma infusão constante de rotários numa onda de inclusão e harmonia e líderes PolioPlus experientes, geriram e distribuíram cuidadosamente fundos rotários para vacinas, NIDs, vigilância epidemiológica, desenvolvimento de laboratórios e administração de programas. Eles desenvolveram um trabalho de relacionamento com a OMS, o UNICEF e o CDC eficiente e harmonioso. Criaram ainda um programa activo de advocacia para encorajar a participação dos governos mundiais, ultimamente dirigido pelo ex-vice-presidente de RI, o médico Robert S. Scott, e para o qual tive a honra de ser convidado sucessivamente pelos chairmen Glen Kinross, James Lacy e Carlo Ravizza, Luís Vicente Giay, Frank Devlyn, «Bob» Scott e Glenn Estess Sr.
Como forma de manter os rotários envolvidos RI criou o Programa Parceiros PolioPlus. À medida que os clubes iam sendo capazes de lidar com os projectos de serviços à comunidade mundial, a partir de agora, indivíduos, clubes e distritos podiam escolher uma necessidade específica e financiá-la.
Na Assembleia Internacional de 2002 o chairman da Rotary Foundation Luís Vicente Giay lançou o desafio Vamos cumprir a nossa promessa, erradicar a polio como meio para conseguir um financiamento extra de US$80 milhões e suprir assim o défice da Campanha e da Rotary Foundation, abalada ainda pelo crash financeiro do pós 11 de Setembro. Foi um objectivo largamente ultrapassado em 2002-03, atingindo-se os US$130 milhões em Junho de 2004. Rotary tinha comprometido até aí mais de US$500 milhões para vacinar as crianças do mundo contra a polio. Este último esforço foi conduzido pelo presidente de RI Bhichai Rattakul com a colaboração do chairman da Rotary Foundation Glenn Kinross, dos curadores Luís Vicente Giay – nomeado presidente para a materialização deste objectivo – e James Lacy, Herbert Pigman, Robert S. Scott, de Cobourg, Ontário, no Canadá, Louis Piconi, de Pittsburgh na Pensilvânia e Jack Blane, além do staff da campanha de recolha de fundos para a erradicação da polio de RI, sob a direcção de John Osterlund.
O esforço de angariação de fundos excedeu os sonhos mais acarinhados em Rotary.
Henrique Pinto
Setembro 09, no Dia Mundial da Polio
FOTOS: Henrique Pinto na Convenção de Santo António do Texas, 2001, posando de costas para o poster de Gloria Rita e Frank Devlyn, então o casal presidencial; Bill Seargeant dirigiu durante 12 anos, proficientemente, a Campanha Mundial PolioPlus; James Lacy, presidente de RI em 1998/9

OS DESAFIOS (8)


A imensa vaga de advocacia da causa da angariação de fundos, nesta corrida final conduzida por Rotary, levou à adesão de 22 governos, nomeadamente o de Portugal, da Cimeira do G8 em Kananaskis, no Canadá, da Conferência Islâmica na Malásia, da Comissão Europeia no apoio aos NIDs na Nigéria e da Conferência OUA/UE na capital do Burkina Faso. A parceria inovadora envolvendo Rotary International, Fundação das Nações Unidas, Banco Mundial e Fundação Bill e Melinda Gates permitiu assegurar a cobertura com vacinas em sete países chave para a erradicação da polio.
O segundo desafio enfrentado por Rotary era o da logística que conduziria a imunizar cada criança da terra contra a polio. Nunca é excessivo dizer que nenhuma organização do mundo podia levar a cabo com sucesso um tal projecto só pelos seus próprios meios.
Herb Pigman, que desde a sua primeira viagem exploratória à OMS em Genebra tinha servido Rotary como secretário-geral, foi pescado da reforma para dirigir a Task Force de Imunização de RI. A sua missão era assustadora. Precisava de diplomacia e capacidade de persuasão até ganhar assento definitivo e decisivo em Conferências Globais da Saúde a par de ministros da saúde e tão veneráveis instituições como a OMS e o UNICEF. Cada uma destas instituições tinha razão para ser céptica quanto às boas intenções de ONGs que tinham prometido muito e feito pouco.
O que distinguia o esforço de erradicação PolioPlus dos projectos passados de organizações governamentais era a sua vastidão. Sabia-se já que o único programa efectivo de imunização contra a polio é aquele onde há um manto de cobertura de todas as crianças do mundo com menos de cinco anos.
O brilho da parceria entre Rotary e organizações como a OMS, UNICEF e CDC resultou do facto de cada parte trazer as suas forças para o Programa com franca generosidade.
A OMS tem peritos sem os quais Rotary nunca poderia ter completado um único ano do programa de erradicação. Mas o Rotary tinha as infraestruturas – clubes e rotários voluntários em mais de 165 países e regiões geográficas à volta do mundo – e recursos financeiros de que os seus parceiros precisavam tão desesperadamente.
O CDC/Atlanta suportou os custos de centenas de técnicos e consultores qualificados para apoiarem os esforços de erradicação e apoiou a rede de 145 membros da rede global de laboratórios para vigilância da polio.
Em cerca de 60 anos o UNICEF tem sido líder mundial para a atenção às crianças, trabalhando no terreno em 158 países para ajudar as crianças a sobreviverem e a serem bem sucedidas desde a tenra infância e através da adolescência. E também apoiando a saúde e a nutrição da criança, uma educação básica de qualidade para todos os rapazes e raparigas, e no facilitar do acesso a água potável e saneamento bem como na protecção da criança quanto à violência, a exploração e a SIDA. É financiado inteiramente pela contribuição voluntária dos governos, empresas, fundações e indivíduos, e através das comissões nacionais para o UNICEF, que vendem postais e outro merchandizing para ajuda ao avanço da humanidade.
A rede de voluntários de Rotary que se estima ter contado até agora com cerca de 20 milhões de pessoas, trabalhou de mãos dadas com as equipas do UNICEF em muitos dos países mais pobres do mundo, quer num trabalho muito específico e assaz decisivo como a mobilização social, ou no levar a vacina da polio às crianças mais pobres e isoladas que de outro modo poderiam ficar fora das campanhas.
Henrique Pinto
Setembro 09, no Dia Mundial da Polio
FOTOS: Edwin Futa, secretário-geral de Rotary International; Henrique Pinto administrando a vacina da polio a uma criança do musseque de Lilamba Kiaxi, Luanda, Angola

DIAS DE TRANQUILIDADE (9)




A Iniciativa Global de Erradicação da polio, como veio a ser chamada pela OMS, tem três ferramentas essenciais para apoiar um programa de imunização de rotina dum país – a imunização de massas (NIDs), a vigilância epidemiológica e o mopping-up.
Tendo o país uma vez concordado em conduzir um NID trabalhava com a organização global de parceiros, a Comissão Inter Agências, para coordenar quando e como deveria ser conduzido e quantas doses de vacina seriam necessárias. Antes do NID, Rotary e UNICEF conduziam acções de mobilização social, espalhando a palavra, ao trabalharem com os governos, estações de rádio e TV e líderes religiosos e comunitários. Cada mãe, cada criança e cada professor recebia informação de que num certo dia todas as crianças com menos de cinco anos deveriam ser trazidas a um local de vacinação. Na Turquia foram mesmo lançados panfletos de helicópteros. Por fim passou a usar-se o porta-a-porta em detrimento das concentrações em locais estratégicos para vacinar.
Foram interrompidas guerras – como na República Democrática do Congo e no Sri Lanka –, ambas as partes concordando voluntariamente em baixar as armas em Dias de Tranquilidade, para as crianças ppderem ser vacinadas contra a polio.
Mas muitos voluntários rotários arriscaram as suas vidas para vacinar crianças. Um desses exemplos é o Dr. Bill Sprague, de Grand Rapids, no Michigan. Viajou por áreas perigosas do Afeganistão, Cambodja, Somália e Sudão para coordenar os esforços PolioPlus. Os rotários em Angola, como Walter Brock e Sylvia Nagy, e no Peru, encararam corajosamente o perigo para distribuir a vacina preciosa.
Durante um NID no Peru a guerrilha Sendero Luminoso baixou temporariamente as armas para que os rotários pudessem trabalhar em 2300 postos de vacinação. Foram feitos mais de 28 000 almoços para os trabalhadores da saúde e voluntários e utilizaram-se mais de 800 veículos para transportar a vacina à volta do país.
A segunda ferramenta da campanha é a vigilância epidemiológica levada a cabo pelas autoridades nacionais de saúde, muitas vezes com o apoio da OMS e do CDC. Em duas e às vezes três ou mais ocasiões por ano, cada criança com menos de cinco anos deveria receber duas gotas de vacina oral. Das raízes até ao nível de topo do país, a OMS e o CDC, e em muitos casos com o Rotary, monitorizavam cada surto de polio. Se aparecia mais um caso suspeito – e muitas vezes ofereciam-se recompensas financeiras para que os novos casos de polio fossem notificados – eram recolhidas duas amostras de fezes num intervalo não superior a 48 horas (as chamadas amostras oportunas) e enviadas ao laboratório certificado mais próximo, escrupulosamente acondicionadas. Isto possibilitava aos parceiros conhecer com exactidão como é que o programa estava a funcionar e rapidamente direccionarem recursos específicos para uma dada área na eventualidade dum surto repentino de polio. Só quando um país não tem casos novos por mais de três anos consecutivos pode vir a ser certificado como livre de polio.
Desenvolver uma rede mundial de laboratórios certificados era essencial para a vigilância e o sucesso de PolioPlus. Rotary proporcionou financiamentos chave para se conseguirem tais laboratórios.
A fase final do programa chamada mopping-up tinha como alvo as crianças que faltavam nos NIDs ou podia cobrir uma área inteira onde a vigilância tinha indicado um caso novo de polio.
Henrique Pinto
Setembro 09, no Dia Mundial da Polio
FOTO
: o grande pianista portugês Pedro Burmester, ao centro, ladeado por Miguel Sobral Cid e por mim, meu amigo de há muitos anos, foi uma das personalidades que aderiu ao Programa que organizei com a Televisão Portuguesa, em favor da Campanha da Polio, em 2002 - 03; Dia Mundial da Paz em Nairobi, Quénia, 2003; Dra. Margareth Chen, actual directora-geral da OMS

UM RETROCESSO (10)




Quando despontou a alvorada do século XXI a polio não tinha sido ainda erradicada do mundo inteiro. Mas tinha sido dramaticamente reduzida, muito para além do que a maior parte das pessoas pensava ser possível. As maiores bolsas da doença permaneciam em África e no Sul da Ásia. A África tem sido um cenário frequente para os NIDs por via dos conflitos a ocorrerem através do continente e das dificuldades de transporte e comunicações.
A Índia foi inicialmente relutante em acolher os NIDs e por isso teve um começo tardio, comparado com outros países. Contudo, logo que começaram os NIDs as estatísticas foram simplesmente abaladas. A Índia tem mais crianças que qualquer país na terra. Quando acolheu o primeiro NID em Dezembro de 1995 só havia dinheiro suficiente para vacinar as crianças com menos de três anos. Mas dois milhões de trabalhadores da saúde e voluntários montaram 600000 postos de vacinação e imunizaram 90 milhões de crianças num só dia. No ano seguinte, incluindo as crianças de quatro e cinco anos, o número cresceu para 127 milhões, e em 2000 cerca de 152 milhões de crianças receberam as duas gotas salvadoras de vacina oral da Pólio num único NID PolioPlus.
Em Fevereiro de 2003 a Índia lançou a maior campanha de imunização de massas até aí encetada contra a polio – foram vacinadas 165 milhões de crianças até aos cinco anos de idade –, para combater a pior epidemia da doença da história recente.
O Estado de Kano na Nigéria terminou abruptamente a vacinação contra a polio em 2003 e com isso levou a um retrocesso que não apenas agravou a endemia no país como estendeu a epidemia por dez outros países africanos, do Egipto ao Botswana, previamente declarados livres da polio. Mas felizmente que esta onda foi controlada depois da Declaração de Genebra em Janeiro de 2004. Em Dezembro deste mesmo ano 23 países participaram em NIDs, com especial destaque para o Chade, Costa do Marfim, Sudão e Burkina Faso, que eram entre os países recém contagiados os únicos onde a transmissão da polio ainda não tinha sido interrompida. A própria Nigéria fez um esforço enorme ainda que insuficiente para recuperar o tempo perdido. Um décimo país já livre da polio, o Sudão, voltou a ter um caso novo na região de Darfur por contágio com o mesmo tipo de vírus da polio que é endémico no noroeste da Nigéria. Desencadeada a guerra civil naquele país do norte de África são muitos os refugiados a viverem temporariamente em campos com o grave risco do ambiente sobrepovoado e com baixíssimos níveis de saneamento.
Henrique Pinto
Setembro 09, no Dia Mundial da Polio
FOTOS: a cidade de Kano, capital da província do mesmo nome, onde autoridades e rebeldes não têm criado condições políticas e sociais para pôr fim à polio, o que está a custar uma fortuna ao mundo; «Missão de Rotary International em Angola», livro síntese dos pontos de vista de quem integrou a delegação que conduzi, em Angola, e também a minha primeira NID, foi profusamente vendido como receita para a Rotary Foundation utilizar na Campanha da Polio; mulheres muçulmanas, infelizmente acusadas duma obstrução à vacinação, que é sobretudo política

O FIM É SEMPRE UM RECOMEÇO (11)






Carol Belamy, então directora executiva do UNICEF, declarou em Março de 2004 que «se a polio pôde ser travada na Somália», um país que não tem um governo central, «pode ser travada em qualquer parte, um sucesso que é a prova da vontade do povo Somali e da eficácia das estratégias no terreno para parar o vírus». Em Novembro, no encontro com Glenn Estess Sr., presidente de RI, exultou no seu entusiasmo dizendo que «o sucesso da nossa parceria prova que o sector privado pode e deve trabalhar com as organizações do sector público em projectos globais, para mobilizar recursos, baixar os custos e lograr os melhores resultados no terreno».
«Se não tivessem começado o Programa PolioPlus em 1985», disse-o uma vez o Dr. Alberto Sabin aos rotários, «haveria na altura do 100º aniversário em 2005 mais oito milhões de crianças com polio e provavelmente cerca de 800000 mortes durante esse período». A sua vacina oral tinha salvado milhões de crianças indefesas.
Um maremoto como o do sudeste asiático, de consequências incalculáveis por longo, longo tempo, ou qualquer outra calamidade natural ou induzida pelo homem, poderiam ou não, como na história de Sísifo, relançar a inquietação. Os recursos são sempre escassos para acudir a todas as frentes. Mas em biliões de vezes na vida dum único ser humano, a história das suas células, o fim é sempre um recomeço.
Agora o mais importante não é a nova respeitabilidade que o Rotary ganhou à escala global. Não o é também pelo modo como o programa PolioPlus ampliou os horizontes dos rotários, que passaram a ver oportunidades de serviço para além dos sorteios nos seus clubes. O mais importante são as crianças cujos nomes nunca chegaremos a saber mas cujas vidas foram protegidas e melhoradas. São os cerca de dois biliões de crianças salvas dos pulmões de aço, de mortes prematuras ou de vidas inteiras com as pernas envoltas em próteses. Para cada uma delas há mães, pais, irmãs e irmãos dizendo em 100 línguas precisamente o que Jim Bomar ouviu quando vacinou aquela primeira criança. «Obrigado! Obrigado! Obrigado Rotary!».
Henrique Pinto
Setembro 09, no Dia Mundial da Polio
FOTOS:Carl-Wilhelm Stenhammar em Coimbra, Portugal, 2003, uma capa de estudante como fundo, agora chairman Eleito da Rotary Foundation; Glenn Estess Sr., actual Chairman da Rotary Foundation e Henrique Pinto, EUA, 2005; Ann Veneman, actual directora executiva do UNICEF

COM ELE APRENDI, COM ELE APRENDO

«O meu conhecimento do Padre Vítor Feytor Pinto é antigo e múltiplo. Vem das actividades da Associação Católica dos Médicos Portugueses, das Reuniões e Seminários organizados pelo Dr. Jorge Biscaia no âmbito do Centro de Estudos de Bioética e, ainda, de dez anos de convivência mensal no Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida. Também nos encontrámos duas ou três vezes em Roma a propósito de Reuniões da Pastoral da Saúde ou da Federação Internacional das Associações de Médicos Católicos.
Em todos estes lugares e situações o Padre Vitor era sempre o mesmo; hoje, que o encontro menos vezes, mas já o vi como Pároco do Campo Grande, sei que continua a ser o mesmo. Mas o mesmo como?
É pretensão e estultice da minha parte ir caracterizar o Padre Vítor com quem muito aprendi e aprendo. Mas vou atrever-me a fazê-lo.
Em primeiro lugar é uma inteligência rápida e brilhante, mas não esmaga os outros, pelo contrário ouve-os com atenção, respeito e simpatia mesmo quando sabe que estão errados.
Depois é um erudito dos textos bíblicos, com uma memória prodigiosa que lhe permite citar os Sinópticos e outros textos, nomeadamente do Antigo Testamento, com uma precisão e um rigor admiráveis.
É, ainda, um bioeticista de grande fôlego, tanto no ensino superior desta matéria como na utilização pragmática em Comissões de Ética, Colóquios e Seminários. A sua palavra é sempre aguardada com grande expectativa porque, sendo rigorosa, tem sempre um toque de originalidade e de referência a situações concretas mesmo difíceis de discernir.
É um especialista de moral católica, em campos tão minados como a infecção pelo VIH/SIDA e a sexualidade dos e das adolescentes. Bom conhecedor do ensinamento formal das estruturas centrais de governo da igreja católica, a sua palavra nunca é arrogante mas é, toda ela, impregnada da misericórdia de Deus e de quem conhece a fragilidade humana e procura superá-la com o perdão – vai e não tornes a pecar.
Nestas e em tantas outras situações, como os fabulosos «Estados Gerais da Saúde» reunidos, anualmente em Fátima, o Padre Vítor é sempre o mesmo – é um Sacerdote, Vigário do amor de Cristo. Por isso é alegre, com a alegria própria dos cristãos fortes na Fé, pacientes nas provações, felizes na Esperança. Porque ele sabe, como poucos, que este tempo de vida na Terra, com os irmãos, é o tempo de preparação para que se cumpra em cada um a Promessa escatológica da Salvação feita a Israel e alargada por Cristo a todas as nações.
Obrigado, Padre Vítor, por tudo o que me ensinou e pelo muito que me ensina.
Professor Doutor Daniel Serrão,
In «O caminho faz-se caminhando», 2005,
testemunhos na homenagem aos 50 anos de exercício sacerdotal de Monsenhor Vítor Feytor Pinto
FOTO
: Capa do Livro
PS: É um testemunho lindíssimo a reunir duas pessoas amigas e de quem sou amigo, que muito admiro. O meu testemunho é um agradecimento a ambos por tais privilégios (Henrique Pinto)

THE GLOBAL CHANGE (C)


When in 1978 the Board considered for the first time the idea of global vaccination – the president was then Glem Renouf of Nambour, from Queensland, Australia – understood that the clubs could object to the «corporative» nature of such a project. Furthermore, the resolution 23-34 even discouraged the RI from suggesting collective campaigns or projects to individual clubs.
It isn’t anymore about the smoky and evanescent spark but about the flame that will illuminate another great turning moment in the strategy of RI. The movement itself had to undertake internal structural changes, global ones, to put in perspective a world scale project. An operation more delicate and time consuming when we know the messages are much slower than the messengers even at a modest scale. What to say then about a scenario like the one of the clubs from all over the world? Renouf had made another proposal to the board in his last weeks as the elected president. That led to the creation of a Fund to the commemoration of the 75th anniversary consisting entirely of voluntary contributions that would be gathered in a two years period of time starting in 1978. The funds would be spent in «great international service programs, such as in a worldwide effort to immunize children and adults» for a period of no longer than five years.
At the RI Tokyo Convention, in 1978, Hingson dazzled again the Rotarians. He spoke about his «peace gun» and also about the vision that motivated him to a Rotary international immunization campaign. It is then that the elected president Glem Renouf killed two birds with a single stone suggesting the new 3 H Program to the Rotarians and the immunization projects should be linked and paid with the contributions to the 75th anniversary Fund.
Once again the RI asked for the WHO advices in order to know with scientific consistency where to begin. The answer suggested Indonesia, Papua New Guinea or Philippines. Soon after, in 1979, Dr. Sabino «Benny» Santos from the Rotary Club of Malolos, in the Philippines, submitted to the Board a proposal of 3 H grants, alleging he would undertake an immunization project against polio in his country. It was a plea of almost mandatory acceptance. Within the 32 nations of the WHO in the Western Pacific Region, the Philippines had 45% of all the polio cases and 74% of all the deaths by this disease. Besides, Rotary had a strong implantation in that country, an enormous benefit to the necessary mobilization of volunteers. A past secretary of State of the country was in «Benny» Santos’ club, and the secretary of State designated was one of the members of the Rotary Club of Manila, in the capital of the Philippines.
(To be continued in D)

Henrique Pinto
October 09 in World Polio Day
PHOTOS: National Immunization Day in Angola, here in a small setlement controled by the rebels, Manuel João and Ruth Madureira Pires, Henrique Pinto and Manuel Cardona, among the inhabitants; Dr Robert Andrew Hingson watching an immunization, as a scientist and as a volunteer in Rotary, he pulled the Polio Eradication as much as he could

THE GRUMPINESS OF IMELDA MARCOS (D)



In the 1st of July of 1979 James L. Bomar Jr., of Shelbyville in Tennessee, started his work as RI president. The Rotary Board approved then the amount of US$760 000 to co-help the administration of the OPV (the oral polio vaccine, of Sabin), in the first 3 H project that would immunize one million children in the Philippines.
But before that it was necessary to obtain the authorization of the Philippine government. Bomar, his Aid Charles Keller, past director of RI, and the new director born in the Philippines, Mat Caparas (both of them would become RI presidents), were greeted at the Presidential Palace in Manila by the Chief of State Ferdinand Marcos. It was a very cordial meeting. But when the subject turned entirely to the authorization for the immunization project Marcos said: «I have nothing to do with that sort of things. You have to deal with my wife in that matter. She is the Minister of Interior».
The circumstances were favorable for them to get right away a meeting with Imelda Marcos. But at the schedule time for the reception to take place she didn’t appear. When it was finally possible to approach her, she was beside herself. She brandished Time Magazine that had published a critical article about the Philippine regime. «Look what you Americans are saying about me and my husband! Why should I do something to help you when you spread these lies?». Not without great effort, and speaking of the American freedom of the press, impossible for the government to control, of the fact that Rotary is not an American organization and stressing still the importance of her signature to make a difference between the live and death of millions of children in her country, although reluctant she gave the necessary permission.
Jim Bomar administered the first dose of vaccine by pressing two drops of the liquid in a little child’s tongue. As he ended doing it he saw tears in the eyes of the mother. And felt a pull in his trousers leg. He looked down and saw one of the crippled young men who crawled, one of those who had been paralyzed by polio. «Thank you», said the boy. «Thank you, thank you!» And paused, as if trying to remember the next word, «Rotary». Then from the dust he raised his whitish arm pointed to the baby to whom Bomar had just given the vaccine. «My sister», he said with a sparkling smile of pride.
Nobody knew it then, but that little child was destined to have a very intense effect in the future development of Rotary.
Shortly before, the children from the Italian schools had contributed with the money from their snacks to the children of the Philippine schools, through the efforts of the past district Governor Sérgio Mulitsch and of the new Rotary Club of Treviglio e della Pianura Bergamasca. It was possible to buy half a million doses of OPV
(To be continued in E)
Henrique Pinto
October 09 in World Polio Day
PHOTOS: Imelda Marcos (she resisted a lot to the polio immunization in Phillipines because she was angry with the American Time Magazin; Most of European Advocacy Advisors Meetings for Polio Eradication are hold in the beautiful city of Zurich, Switzerland
.

SISE AND UNFOUNDEDNESS (E)



The president of RI 1981-82 Stanley E. McCaffrey established the Commission of the New Horizons to propose a long course to Rotary and nominated Cliff Dochterman as his chairman. Dochterman is a creative thinker, very active and tireless, even nowadays. He had been one of the three co-chairmen of the 3-H Commission and would become the president of RI in 1992-93.
Immediately this commission inquired the Rotarians from all over the world about suggestions for the future and then analyzed each one of the 2900 (two thousand nine hundred) answers. One of them was from Dr John L. Sever, a past governor of the district of Potomac, Maryland, and impressed him greatly. Professionally Sever had presided the infectious diseases branch of the National Health Institutes in the United States and was a long-time member of the 3 H Commission. He proposed that Rotary should immunize all the children of the earth against preventable diseases through vaccination until the end of the century. His suggestion was adapted for approval as a Board of RI decision in February 1982 in terms of «immunizing all the children of the world against polio by the 100th anniversary of Rotary International in 2005».
The 3 H Commission pushed forward the polio 2005 Program with projects in Bolivia, Haiti, Morocco and Sierra Leone. It was Dr Carlos Canseco, from Monterrey, in México, who became president of RI in 1984, and the one who relit the flame in the fight plan. Canseco had been in the front line of the polio eradication efforts in his own country and was a friend of Sabin. No one better than such an experienced voice to be the strongest proponent of the mass immunization methods.
«If you simply provide money for a country to vaccinate its children in small groups throughout the year that is a total waste», said Canseco. «It’s like whistling to the wind». He argued with Sabin’s point of view that if the polio vaccine was to be administered to all the children of the country on the same day they would all become immune simultaneously. In those days there was still the belief that Sabin’s vaccine would give group immunity. If by any chance a child was lost... it would be fine!
Through the direction of president Canseco and the work of several friends who were true believers in the potentiality of the program, the WHO accepted Rotary as a partner Non Governmental Organization (NGO). Canseco announced officially to the Rotarian world the 2005 polio Program on the 23 February 1985, day of the 80th Rotary anniversary. Eight months later at the 40th anniversary of the United Nations, the RI General Secretary Herb Pigman announced this Rotary plan to the Heads of State who had gathered to render official the «drawing of a goal to the achievement of immunization levels against the avoidable diseases by vaccinating 80% of all the children in the world». The Rotary commitment electrified the global health community. Such a duty from a NGO was unfounded in its financial spectrum and in the potential program. Public health workers, allured by the greatness of the goals could only appeal to the knowhow and to the resources of one million Rotarians to help them overcome the obstacles in distributing the polio vaccine.
(To be continued in F)

Henrique Pinto
October 09 in World Polio Day
PHOTOS: Henrique Pinto and Carlos Canseco (we became friends in the first moment we talked a little bit), 2005; Clifford L. Dochterman, RI president 1992-93

THE MAGNIFICIENT (F)


An enormous volume of work was now ahead. No organization could undertake such a project by itself. Rotary created teams with the WHO, UNICEF, and later with Centers for Disease Control and Prevention (CDC). Gradually these organizations recognized Rotary as a valuable and trustworthy partner. The staff was trained in the RI headquarters in Evanston, Chicago, and new commissions were being formed solely to focus on what soon would be re-baptized as PolioPlus Campaign.
There were two major challenges to be immediately faced by Rotary. First, be able to achieve the amount of US$120 million. An international commission of the PolioPlus Campaign presided by Leslie Wright, from Birmingham, Alabama, organized a world scale fundraise. It would be an experience of true learning at all levels in Rotary. Walter Maddocks, from Bermuda, a past district governor, became director of the campaign. Jack Blane, from Wheeling, Illianois, also a past district governor, who was an international executive coordinator of the campaign, supported him. Both worked full time on the campaign for two years as unpaid volunteers.
They supervised 44 national/ multinational commissions, and 11 international coordinators, the magnificent as they remained known. One of them was Marcelino Chaves, past governor of the Portugal district, later RI director. On the other hand, those Rotarians provided orientation and guidance to 84 national coordinators and were the main contact for the 450 PolioPlus district presidents. Inside each district every 7 clubs were given to one of the 3300 zone coordinators, who were the link to more than 20000 PolioPlus presidents at club level. It was a structure that rivaled with many of the most elaborated battle plans by the most famous generals.
All planning reached its climax with the public announcement of the PolioPlus campaign in New York, in 10 July 1987. The then president of the RI Charles Keller and his team of 467 governors worldwide turned this campaign into their priority. The campaign ingenious activity and the usual practice of the districts were someway integrated.
The moment the campaign was launched senior volunteers were trained to appeal to great financial donations. Something the Rotary had never done in its 84 years of history. Apart from the initial reluctance they «followed the plan». And the Rotarian W. Clement Stone, from Chicago, made a one million dollars donation. The Australian Rotarian Les Whitcroft, who led the PolioPlus campaign in his country, and his wife Shirley – herself a polio survivor – made a donation of US$250 000.
Gradually the Rotarians started to recognize that they were involved in an event that would make history. Never before had Rotary embarked in such a worldwide project. Never before had they propose to raise US$120 million. Never until then had made partnerships with agencies of such visibility as WHO, UNICEF and the CDC. From then on Rotary would never be the same of the recent past.
(To be continued in G)

Henrique Pinto
October 09 in World Polio Day
PHOTOS: Marcelino Chaves, one of the Magnificient, was always pulling me, side by side, in all my way as a rotarian. Here he is, in a Gala Dinner I promoted, with Maria da Graça Pinto, Marcia and Alceu Vezozzo; Caol Belamy, former UNICEF executive director, in a cerimony in Afganistan

THE MOST PRECIOUS HOUR (G)









The second day of the International Convention in Philadelphia, on 24 March 1988, is remembered as one of the most exciting moments of the first Rotary century. The Civic Center auditorium was more than full when Maddocks began calling to the stage each one of the 44 president national/multinational. The lights around the auditorium had been turned off. Every time each Rotary country announced the results of its fund raise a bulb would light for each 800 000 children that could now be immunized. It was a day when even president Keller shouted. Just like thousands of Rotarians did along with him. It was, like Keller declared and was stated in the commemorative certificate delivered to everyone present «The most precious hour of Rotary».
During the Convention the WHO made a proposition to change in a very ambitious way the purpose of polio control to eradication in the year 2000 (with the certification for later), if Rotary could compete to that. After a quick consultation with directors, trustees, leaders of the campaign and of Task force, president Keller reaffirmed the participation and commitment of Rotary in the purpose.
For 12 years William Sergeant and the PolioPlus International Commission, with a constant infusion of Rotarians in a wave of inclusion, harmony and experienced PolioPlus leaders, managed and carefully distributed Rotarian funds for the vaccines, National Immunization Days (NIDs), epidemiological surveillance, development of laboratories and program administration. They developed a work of efficient and harmonious relationship with the WHO, UNICEF, and the CDC. Furthermore, they created an active advocacy program to encourage the participation of the world governments, lately directed by the past vice-president of RI, Doctor Robert S. Scott, to which I had the great honor of being successively invited by chairmen Glen Kinross, James Lacy and Carlo Ravizza, Luís Vicente Giay, Frank Devlyn, «Bob» Scott and Glenn Estess Sr.
In order to keep the Rotarians involved RI created the PolioPlus Partnership Program. Gradually clubs were being able to deal with the projects of services to the world community, and from now on, individuals, clubs and districts might choose a specific need and finance it.
At the 2002 International Assembly the chairman of the Rotary Foundation, Luis Vicente Giay, launched the challenge Lets Fulfil our promise, eradicate polio, as a mean to achieve an extra financing of US$80 million and therefore suppress the deficit of the Campaign and of the Rotary Foundation, still shaken by the financial crash of the post-11 September. That was widely surpassed in 2002-03, reaching the US$130 million in June 2004. Rotary had committed so far more than US$500 million to vaccinate the world’s children against polio. This last effort was conducted by the president of RI Bhichai Rattakul with the collaboration of the chairman of the Rotary Foundation Glenn Kinross, of the trustees Luis Vicente Giay – appointed president to the materialization of this goal - and James Lacy, Herbert Pigman, Robert S. Scott, from Cobourg, Ontario, in Canada, Louis Piconi, from Pittsburgh, Pennsylvania and Jack Blane, besides the staff campaign of fund raising to the eradication of polio of the RI, under the direction of John Osterlund.
The effort of fundraising exceeded the most cherished dreams at Rotary.
(To be continued in H)

Henrique Pinto
October 09 in World Polio Day
PHOTOS: A NID in Africa, I've been in some of them, but here I'll publish only photos from one of them, in Angola (here, Henrique Pinto with Manuel João and Ruth Madureira Pires, after visiting an ill child dieing with Malaria, urgently sent to central hospital by helicopter); Henrique Pinto and Felizardo Cota, fundraiser for Polio at the time, and Luis Vicente Giay, in Portugal; Glen Kinross in Salzburg (we can see Júlio Sorjús behind him)